Risco no radar

Preços começam a ameaçar a se transformar em aumentos permanentes, diz Guedes

Ressaltou, porém, que o Banco Central já está correndo atrás de controlar a inflação via aumento dos juros básicos da economia.

O novo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante cerimônia de transmissão de cargo.
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu nesta quarta-feira que uma alta antes pontual e transitória de preços “começa a ameaçar se transformar em aumentos permanentes”. Ressaltou, porém, que o Banco Central já está correndo atrás de controlar a inflação via aumento dos juros básicos da economia.

O índice oficial de inflação, medido pelo IPCA, chegou a 8,99% em 12 meses até julho, bem acima da meta perseguida para o ano, de 3,75% com 1,5 ponto porcentual de tolerância para mais ou para menos. O mercado já espera que a inflação rompa o teto da meta, que é de 5,25%.

Guedes ponderou que a inflação está subindo “no mundo inteiro” e citou o aumento de preços de commodities e a retração da oferta de bens e serviços devido à covid-19 como fatores por trás da pressão.

O ministro ainda criticou a repercussão dada a uma fala dele sobre o fato de a energia ficar mais cara. Em uma audiência no Senado Federal na última quinta-feira, 26, Guedes afirmou que “não adianta ficar sentado chorando” diante do aumento no preço da energia elétrica, em virtude da crise hídrica.

Um dia antes, outra declaração já havia repercutido. “Qual o problema agora que a energia vai ficar um pouco mais cara porque choveu menos?”, questionou o ministro na quarta-feira, 25.

Nesta quarta-feira, 1º de setembro, Guedes tentou se justificar. “Estava falando ‘não desanimem, preço da energia vai subir um pouco’. ‘Não adianta chorar’ foi a expressão que eu usei, aí tiram de contexto”, afirmou. “A verdade é que todos estamos lutando pelo Brasil”, acrescentou o ministro.

Segundo ele, há aspectos positivos que deveriam despertar o otimismo com o País, como a existência de R$ 544 bilhões em investimentos já contratados para os próximos dez anos. “Não é power point, previsão ou proposta. Já está assinado”, frisou.

Ele também elencou o cenário de juros menores e câmbio mais elevado, que favorece exportações. “Estamos indo para superávit comercial de quase US$ 100 bilhões no ano”, disse.

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.

PUBLICIDADE