Powell diz que redução do balanço do Fed ainda tem um longo caminho a percorrer

O Fed já reduziu o tamanho de sua participação em cerca de 1,7 trilhão de dólares, disse Powell, mas irá cuidadosamente até um ponto de parada para garantir que as instituições financeiras tenham acesso a reservas adequadas

Reuters

O presidente do Fed, Jerome Powell, durante entrevista coletiva - 20/03/2024 (Reuters/Elizabeth Frantz)
O presidente do Fed, Jerome Powell, durante entrevista coletiva - 20/03/2024 (Reuters/Elizabeth Frantz)

Publicidade

WASHINGTON (Reuters) – O Federal Reserve tem “um longo caminho a percorrer” para reduzir o tamanho de seu balanço patrimonial, com o ponto final do aperto quantitativo ainda incerto, disse o chair do Fed, Jerome Powell, ao Comitê de Serviços Financeiros da Câmara nesta quarta-feira.

O Fed já reduziu o tamanho de sua participação em cerca de 1,7 trilhão de dólares, disse Powell, mas irá cuidadosamente até um ponto de parada para garantir que as instituições financeiras tenham acesso a reservas adequadas.

“Fizemos muito progresso”, disse Powell, mas “sentimos que ainda temos um longo caminho a percorrer”.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos
O Fed aumentou seu balanço em resposta à pandemia de Covid-19 para ajudar a suprimir os juros de longo prazo e sustentar a economia. Atualmente, o Fed está permitindo que até 25 bilhões de dólares por mês de seus títulos do Tesouro e 35 bilhões em títulos lastreados em hipotecas expirem à medida que vencem.

Esse foi o segundo dia de depoimento de Powell perante o Congresso dos EUA, um exercício semestral que inclui análise das condições econômicas e da política monetária e, normalmente, um interrogatório dos parlamentares sobre questões regulatórias e outras questões também.

Os comentários de Powell ao Comitê Bancário do Senado, na terça-feira, mostraram tanto uma maior confiança em um declínio contínuo da inflação quanto uma sensibilidade cada vez maior em relação ao risco de manter a política monetária muito apertada por muito tempo e desacelerar a economia mais do que o necessário.