PIB do Reino Unido cresce acima do esperado em maio e pressiona BC da Inglaterra

Atividade econômica avançou 0,4% em maio, após um aumento de 0,2% em abril; economistas acreditavam em outro aumento mensal de 0,2%

Reuters

Ônibus trafega em frente ao prédio do Banco da Inglaterra, em Londres - 03/07/2024 (Foto: Maja Smiejkowska/Reuters)
Ônibus trafega em frente ao prédio do Banco da Inglaterra, em Londres - 03/07/2024 (Foto: Maja Smiejkowska/Reuters)

Publicidade

(Reuters) – A economia do Reino Unido cresceu mais rapidamente do que o esperado em maio, dando algum impulso ao novo governo do primeiro-ministro Keir Starmer, mas aumentando as dúvidas sobre se o Banco da Inglaterra reduzirá as taxas de juros no próximo mês.

A atividade econômica avançou 0,4% em maio, após um aumento de 0,2% em abril, informou o ONS, o escritório nacional de estatísticas. Uma pesquisa da Reuters com economistas apontou expectativa de outro aumento mensal de 0,2%.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior com o Investimento Global XP

Continua depois da publicidade

A força da recuperação poderia dissuadir o Banco da Inglaterra (BoE) de começar a cortar as taxas de juros já em 1º de agosto, a próxima data programada para o anúncio da política monetária. Nesta semana, três formuladores de políticas enfatizaram a força das pressões internas sobre os preços.

A chance de um corte nas taxas dentro de três semanas caiu abaixo de 50% nos mercados futuros, de pouco mais de 50% na quarta-feira.

Impulso ao novo governo

Em maio, houve um aumento de base ampla na produção econômica, com os setores de serviços, manufatura e construção crescendo, sendo que o último aumentou 1,9% no mês, impulsionado pela construção de casas.

Continua depois da publicidade

Os números representaram um impulso inicial para o novo governo trabalhista, que estabeleceu o objetivo de alcançar o crescimento mais rápido entre as economias avançadas do Grupo dos Sete em uma base sustentável.

“A melhoria das perspectivas econômicas sugere que o governo pode se beneficiar do fato de a recuperação econômica ser mais forte do que a maioria das previsões”, disse Ashley Webb, economista da consultoria Capital Economics.

A economia britânica parece ter saído de sua rotina de baixo crescimento, pelo menos por enquanto. A produção cresceu 1,5% desde a virada do ano, marcando seus melhores cinco meses desde o início de 2017, excluindo a recuperação da pandemia da Covid-19.

Continua depois da publicidade

Na quinta-feira, o Goldman Sachs aumentou sua previsão de crescimento para 2024 de 1,1% para 1,2%.

Ainda assim, o cenário de longo prazo continua fraco, com a economia apenas 2,7% maior do que seu nível pré-pandêmico do final de 2019.

De acordo com os dados trimestrais mais recentes, somente a Alemanha teve um desempenho pior desde a pandemia.

Continua depois da publicidade

Nos três meses até maio, a economia britânica se expandiu 0,9%, a leitura mais forte desde os três meses até janeiro de 2022, em comparação com a previsão de consenso de uma expansão de 0,7%.

Dúvidas sobre os juros

O Banco da Inglaterra disse no mês passado que esperava que a economia crescesse 0,5% no segundo trimestre — algo que agora parece provável que seja muito baixo.

“Esses números do PIB podem tornar menos provável um corte na taxa de juros em agosto, fornecendo aos definidores de taxas, que estão preocupados com as pressões subjacentes sobre os preços, confiança suficiente sobre a recuperação econômica do Reino Unido para continuar adiando o afrouxamento da política”, disse Suren Thiru, diretor de economia do órgão de contabilidade ICAEW.

Continua depois da publicidade

Dados separados do ONS mostraram que o déficit comercial geral do Reino Unido, excluindo metais preciosos, diminuiu para 3,2 bilhões de libras (4,1 bilhões de dólares) em maio, de 4,7 bilhões de libras em abril.

Mas as exportações de mercadorias para a União Europeia caíram para o nível mais baixo desde janeiro de 2022, quando os controles alfandegários do Brexit foram introduzidos, e consistente com os níveis observados no final da década de 1990.

Starmer disse que deseja reduzir os atritos comerciais com a UE, mas não concordará em aderir ao mercado comum do bloco.