Pérsio Arida: “Dá para gastar mais e dar condições mínimas de vida para as pessoas”

Para isso, de acordo com o ex-banqueiro central, o governo deveria agir para cortar gastos, incluindo os elevadíssimos salários públicos e despesas

Estadão Conteúdo

Publicidade

O ex-presidente do Banco Central (BC) e do BNDES Pérsio Arida defendeu, na noite desta quarta-feira, 21, que é possível gastar mais para dar condições mínimas de vida para as pessoas menos favorecidas. Ele fez esta afirmação durante uma “live” organizada pela FEA-USP, ao discorrer sobre sua visão em relação ao programa Renda Cidadã.

Para isso, de acordo com o ex-banqueiro central, o governo deveria agir para cortar gastos, incluindo os elevadíssimos salários públicos e despesas.

“Dá para gastar mais e dar condições mínimas para as pessoas”, afirmou. O mesmo, segundo ele, vale para os investimentos em educação e saneamento. “Cortar gastos e investir em educação não é uma escolha econômica, mas moral”, disse.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Hiperinflação

Ao ser instado a falar sobre sua participação na equipe econômica que criou o Plano Real e debelou a hiperinflação no País, Arida lembrou do paper que escreveu a quatro mãos com o economista André Lara Resende, o embrião do Plano Real chamada de “proposta Larida” de estabilização econômica.

“Eu e o André (Lara Resende) escrevemos o paper que ficou conhecido como a proposta Arida de anos antes. O documento repercutiu muito mal, não foi bem aceito pela academia”, disse.

A proposta Arida tinha como fio condutor a indexação e contemplou o entendimento do impacto que o congelamento de preços teria no imaginário popular.

Continua depois da publicidade

Mas de acordo com o ex-BC, à época, o Brasil tinha um líder que tinha um projeto para o País e com capacidade para galvanizar as ideias e as pessoas. Hoje, de acordo com Arida, não faltam boas ideias nem pessoas capacitadas, mas sim um líder para coordenar tudo isso.

“Temos boas ideias e pessoas capacitadas, mas infelizmente temos o Bolsonaro, que não tem visão de futuro”, criticou.