Novo regime automotivo traz previsibilidade aos investimentos, diz entidade das montadoras

Medida prevê incentivos fiscais de até R$ 19,3 bilhões nos próximos cinco anos na produção de carros

Estadão Conteúdo

(Rafa Neddermeyer/ Agência Brasil)

Publicidade

A Anfavea, entidade que representa as montadoras, comemorou o lançamento do novo regime automotivo, cuja medida provisória, assinada no sábado (30) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), prevê incentivos fiscais de até R$ 19,3 bilhões nos próximos cinco anos na produção de carros mais seguros e menos poluentes.

“Mais uma vez, o Brasil mantém-se na vanguarda ao estabelecer regras que dão previsibilidade aos investimentos privados no país”, comentou a associação, que chamou de “excelente notícia para toda a cadeia da indústria automobilística brasileira” a publicação do programa, batizado de Mover (Mobilidade Verde e Inovação).

Na esteira de outros dois regimes setoriais — o InovarAuto, que vigorou de 2012 a 2017, e o sucessor Rota 2030, lançado em 2018 —, o Mover começa com incentivos de R$ 3,5 bilhões apenas no ano que vem. Em nota, a Anfavea sustenta que a continuidade dos programas permitiu que os veículos produzidos no Brasil estejam entre os mais econômicos e seguros do mundo.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

As montadoras aguardavam as regras e os estímulos ao desenvolvimento de tecnologias para definir novos ciclos de investimento no Brasil. A expectativa agora é pela regulamentação do Mover, a ser feita nos próximos meses por decretos e portarias. Segundo a Anfavea, a partir disso, a indústria terá uma noção mais clara das exigências aos automóveis vendidos no Brasil.