Morre aos 84 anos o economista Affonso Celso Pastore

Pastore tinha 84 anos e era um dos economistas mais renomados do País; ele estava internado para uma cirurgia desde sábado (17) e passou o final de semana na UTI

Estadão Conteúdo

O economista Affonso-Celso Pastore
O economista Affonso-Celso Pastore

Publicidade

Morreu nesta quarta-feira em São Paulo (21) o economista e ex-presidente do Banco Central Affonso Celso Pastore, aos 84 anos. Ele estava internado para uma cirurgia desde sábado (17) e passou o final de semana na UTI, mas não resistiu.

Graduado e com doutorado pela Universidade de São Paulo (USP), Pastore era um dos economistas mais renomados do País. Entrou para a vida pública em 1966, como assessor de Antônio Delfim Neto, então secretário da Fazenda do Estado de São Paulo. No ano seguinte, com Delfim nomeado ministro da Fazenda, Pastore passou a integrar a equipe de assessores.

Entre 1983 e 1985, foi presidente do Banco Central, no governo do ex-presidente João Figueiredo, último período da ditadura militar. O economista teve participação ativa nas negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a dívida externa brasileira.

Continua depois da publicidade

Filho de Francisco Pastore e de Aparecida Pastore, Affonso Celso Pastore nasceu em 19 de junho de 1939 na capital paulista. Após sua passagem pela vida pública, fundou em 1993 a consultoria A. C. Pastore & Associados, especializada em análises da economia brasileira e internacional, escritório no qual também trabalha sua esposa, Maria Cristina Pinotti.

Pastore voltou à cena política em 2021 para assessorar o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, então pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos. Em março do ano seguinte, no entanto, Moro desistiu da disputa.

Pastore também foi autor de dezenas de livros, escritos em parcerias com outros economistas e sozinho. Um deles foi Erros do Passado, Soluções para o Futuro, em que analisa os erros de política econômica cometidos a partir dos anos 1960. Em 2020, Pastore recebeu uma homenagem num livro com nove artigos e uma entrevista inédita, em que mostra seu percurso intelectual e seu legado. A obra tem textos de Antonio Delfim Netto, Arminio Fraga Neto, Celso Lafer, Edmar Bacha, Ilan Goldfajn, José Júlio Senna, Marcos Lisboa, Mário Magalhães Mesquita e Samuel Pessôa.

Continua depois da publicidade

(Com Estadão Conteúdo)