Moody’s emite alerta de classificação de crédito da França com eleições antecipadas

Segundo a agência de classificação de risco, a potencial instabilidade política é um risco de crédito, dado o quadro fiscal desafiador que o próximo governo herdará

Reuters

Emmanuel Macron, presidente da França (Foto: Flickr/Emmanuel Macron)
Emmanuel Macron, presidente da França (Foto: Flickr/Emmanuel Macron)

Publicidade

Londres (Reuters) – As eleições parlamentares antecipadas na França são negativas para a pontuação de crédito do país, alertou a agência de classificação Moody’s em comunicado divulgado na segunda-feira (10). “Essa eleição antecipada aumenta os riscos para a consolidação fiscal”, disse a Moody’s,  descrevendo-a como “negativa em termos de crédito” para a classificação Aa2 do país, que está um nível acima da pontuação equivalente da Fitch e da S&P Global.


“A potencial instabilidade política é um risco de crédito, dado o quadro fiscal desafiador que o próximo governo herdará”, acrescentou, dizendo que a perspectiva atualmente “estável” do rating da França poderia ser cortada para “negativa” se as métricas de sua dívida piorarem ainda mais.


“Um enfraquecimento do compromisso com a consolidação fiscal também aumentaria as pressões de crédito para baixo”, disse a Moody’s.

Continua depois da publicidade

 


Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos


O presidente da França, Emmanuel Macron, convocou uma eleição legislativa inesperada, após uma derrota contundente na votação para o Parlamento Europeu no fim de semana para o partido de extrema direita liderado por Marine Le Pen.

Continua depois da publicidade

 

A decisão inesperada de Macron, que equivale ao lançar de dados sobre seu futuro político, pode dar grande poder político à extrema-direita depois de anos à margem, e neutralizar sua Presidência três anos antes de seu término. A votação legislativa ocorrerá em 30 de junho, menos de um mês antes do início dos Jogos Olímpicos de Paris, com um segundo turno em julho.


A Moody’s destacou que o ônus da dívida do país, que já está acima de 110% do PIB, é mais alto do que o de outros países com classificação semelhante e tem visto um aumento quase contínuo desde a década de 1970 devido a déficits orçamentários estruturais consistentemente grandes.

Continua depois da publicidade


A S&P Global rebaixou a classificação da França no início deste mês devido às mesmas preocupações, e a Moody’s sinalizou o que a levaria a fazer o mesmo.


“A perspectiva e, em última instância, os ratings, poderiam passar a ser negativos se concluíssemos que a deterioração da acessibilidade da dívida — que medimos como pagamentos de juros em relação à receita e ao PIB — será significativamente maior na França do que em seus pares de rating”, disse.