Ministério das Comunicações vai incluir EBC no Programa de Desestatização

Em reunião com representantes da empresa e Ministério da Economia, Fábio Faria afirmou que a ideia é que melhorar a eficácia dos serviços prestados

Equipe InfoMoney

Glen Valente, presidente da EBC, e Fabio Faria, ministro das Comunicações

Publicidade

A Empresa Brasileira de Comunicações (EBC) vai fazer parte do Programa Nacional de Desestatização (PND), do ministério da Economia. A ideia é reduzir os custos da empresa pública e enxugar a máquina, fornecendo serviços com melhor eficiência. A afirmação é do ministro das Comunicações, Fábio Faria, que se reuniu nesta quarta-feira (10) com o presidente da EBC, Glen Valente, com o secretário do PND, Diogo Mac Cord, e com a secretária do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier.

A expectativa é de que em quatro meses o Governo Federal tenha o estudo de viabilidade da desestatização, elaborado por uma empresa de consultoria que ainda será contratada, e os principais resultados para definir a alternativa mais adequada para desestatização da companhia.

O ministro Fábio Faria afirmou que ainda é cedo para se falar em valores no que diz respeito à desestatização, mas acredita que o conselho de ministros deverá aprovar a inclusão da EBC no programa já na próxima semana.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A secretária do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier, ressaltou que entre o levantamento que a consultoria deverá fazer estão os serviços prestados pela companhia e seus custos, o que não precisaria ser realizado pelo Estado e o que poderia ser oferecido à população de forma mais eficiente.

Leia mais: 14 anos e R$ 7,4 bilhões depois, os custos da EBC

“A EBC é uma empresa que tem muitos imóveis, bandas de rádio, redes de telecomunicações. Tudo isso vai ser estudado, inclusive para torná-la mais enxuta”, afirmou.

Continua depois da publicidade

A expectativa do presidente da EBC é de avançar com os estudos, mostrar de forma transparente as receitas e despesas da empresa, para depois desenhar como deverá ser o futuro da EBC.

A EBC tem 1.861 empregados e é uma das 19 estatais que dependem do Tesouro para pagar gastos de custeio e com pessoal.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.