Relatório do Banco Central

Mercado financeiro volta a estimar Selic a 3,00% em 2021, mostra Focus

Economistas revisaram, pela oitava semana consecutiva, projeção para o PIB de 2020, e agora a expectativa é de uma queda de 5,46% no ano

Hand is turning a dice and changes the direction of an arrow symbolizing that the interest rates are going down (or vice versa)
(Fokusiert/Getty Images)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após cortar a projeção para a Selic em 2021 para 2,75% na última semana, o mercado financeiro voltou a estimar a taxa básica de juros em 3,00% ao fim do próximo ano. É o que mostra o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira (24).

Para 2022, a projeção também foi alterada, com corte na estimativa, de 4,75% para 4,50% a.a.. Este ano, contudo, os juros devem permanecer no patamar atual de 2,00% ao ano, segundo os economistas consultados pelo BC.

Em meio às preocupações de um descontrole fiscal, os investidores monitoram nesta semana o anúncio de um pacote de medidas em diversas frentes para tentar sustentar a recuperação econômica e fazer a ponte de transição com o fim dos auxílios emergenciais concedidos durante a pandemia de coronavírus.

Chamado de “big bang” pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, o pacote vai antecipar o programa Renda Brasil para este ano e combinar medidas de corte de despesas, obras públicas, estímulo ao emprego, atração dos investimentos privados e privatizações.

Com relação ao desempenho da economia brasileira, as projeções dos economistas do Focus foram revisadas para cima, pela oitava semana consecutiva, e agora a expectativa é de uma queda de 5,46% do PIB este ano.

Na semana anterior, a estimativa era de contração de 5,52%, já menor que a retração de 6,54% esperada em junho.

De acordo com o Focus, passados os fortes impactos da pandemia de coronavírus, a atividade brasileira deverá crescer 3,50% em 2021, a mesma expansão esperada anteriormente.

Houve alta ainda na projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020, de 1,67% para 1,71%. Já as projeções para o indicador em 2021 foram mantidas em 3,00%.

No câmbio, não houve alterações no levantamento desta semana: a expectativa é de que o dólar encerre este ano a R$ 5,20 e o próximo, em R$ 5,00.

Top 5

Entre os economistas consultados pelo Banco Central que mais acertam as previsões, reunidos no grupo “Top 5 médio prazo”, as projeções para o câmbio e para a inflação foram modificadas.

Segundo o Focus, a expectativa é de inflação a 1,63%, em 2020, ante estimativa anterior de alta a 1,58%. Para 2021, as projeções foram mantidas em 2,89%.

No que tange às estimativas para o dólar, estas tiveram alta de R$ 5,20 para R$ 5,30, em 2020, e de R$ 5,05 para R$ 5,20, em 2021.

Por fim, na taxa básica de juros, os economistas esperam que a taxa Selic encerre este ano em 1,88% e suba para 2,00% em dezembro de 2021.

Regra dos 10 tiros: aprenda a fazer operações simples que podem multiplicar por até 10 vezes o capital investido. Inscreva-se!