Mercado financeiro revisa projeção para o PIB novamente e vê queda de 5,62% em 2020

Estimativas dos economistas apontam para taxa básica de juros a 2% em dezembro de 2020, com IPCA de 1,63% e dólar a R$ 5,20

Mariana Zonta d'Ávila

(Getty Images)

SÃO PAULO – Pela sexta semana consecutiva, o mercado financeiro revisou para cima a projeção para o desempenho da economia brasileira e agora é esperada uma contração de 5,62% para o PIB este ano, levemente acima da queda de 5,66% estimada na última semana.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

De acordo com o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira (10), após os fortes impactos da pandemia de coronavírus em 2020, a economia brasileira deverá crescer 3,50% em 2021, sem alterações em relação ao levantamento anterior.

Ainda no Focus, os economistas ouvidos pela autoridade monetária continuam projetando que a taxa básica de juros encerre o ano no atual patamar, de 2,00% ao ano, subindo para 3,00%, em dezembro de 2021. Para 2022, contudo, a projeção para a Selic foi reduzida de 5,00% para 4,90% ao ano.

Na última semana, o Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, cortou, como amplamente esperado pelo mercado, a taxa Selic em 0,25 ponto percentual, para 2,00% ao ano – nova mínima histórica.

No comunicado, a autoridade monetária reforçou que “entende que a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas reconhece que, devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”.

Leia também:
Quais investimentos devem compor sua carteira com Selic a 2% e Ibovespa acima dos 100 mil pontos?

As projeções para os demais indicadores, por sua vez, foram mantidas no relatório desta semana.

Para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a expectativa é de alta de 1,63% este ano e de 3,00%, no próximo.

Já no câmbio, o dólar deve ficar em R$ 5,20 em dezembro, e em R$ 5,00, ao fim de 2021.

Top 5

Entre os economistas consultados pelo Banco Central que mais acertam as previsões, reunidos no grupo “Top 5 médio prazo”, as projeções para IPCA, dólar e taxa Selic foram modificadas.

Agora, a estimativa é de que a taxa Selic encerre o próximo ano em 2,00%, ante expectativa anterior de 2,25% ao ano. Para dezembro de 2020, contudo, a projeção se manteve em 1,88% a.a.

No que tange às previsões de alta para o IPCA, estas subiram de 1,51% para 1,58%, este ano, e de 2,78% para 2,89%, no próximo.

Por fim, no câmbio, os economistas prevem o dólar a R$ 5,20 (ante R$ 5,25), em 2020, e a R$ 5,05 (frente R$ 5,10), em 2021.

Aprenda a fazer trades com potencial de ganho de R$ 50 a R$ 500 operando apenas 10 minutos por dia: inscreva-se gratuitamente na Semana dos Vencedores