Novo piso histórico

Quais investimentos devem compor sua carteira com Selic a 2% e Ibovespa acima dos 100 mil pontos?

Títulos públicos com juros reais, crédito privado, Bolsa e fundos imobiliários estão entre as principais recomendações

Business team meeting present the project
(Yozayo/ Getty Images)

SÃO PAULO – Em uma decisão amplamente esperada pelo mercado financeiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central cortou a taxa Selic pela nona vez seguida, em 0,25 ponto percentual, para 2,00% ao ano.

Com uma taxa básica de juros na mínima histórica e em meio à expectativa de que ela permaneça neste patamar até pelo menos o fim do ano, o investidor conservador terá que se acostumar com prêmios ainda mais comprimidos na renda fixa por um bom período.

E não é de agora que produtos como a caderneta de poupança têm oferecido retornos pouco atrativos. Com a Selic a 2% ao ano, a rentabilidade da aplicação financeira, que teve captação líquida recorde no primeiro semestre com os estímulos do governo para conter os efeitos da Covid-19, passa a ser de 1,4%.

O valor é inferior à expectativa de inflação para este ano, de 1,63%, e para o próximo, de 3%. Nos últimos 12 meses até junho, o IPCA registrou inflação de 2,13%.

Confira a seguir como renderiam R$ 10 mil investidos hoje na poupança e em produtos de renda fixa, como CDBs, com rendimentos equivalentes a 100% e 120% do CDI.

Para a simulação, foram considerados o período de um ano e três cenários: a manutenção da Selic em 2,00%, uma nova redução, levando a taxa para 1,75%; e outra alternativa, com a Selic a 1,50% ao ano.

Embora a maior parte do mercado financeiro espere que a Selic fique estável em 2% até dezembro, o grupo “top 5” médio prazo do relatório Focus, do Banco Central, que representa os economistas que mais acertam as previsões, ainda estima novo corte de juros, com a Selic encerrando o ano a 1,88%.

Segundo gestores de patrimônio e assessores de investimento consultados pelo InfoMoney, alongar os prazos de investimento e ampliar cada vez mais a diversificação dos portfólios será fundamental para garantir retorno neste novo cenário.

“No Brasil, sempre estivemos acostumados a investir com segurança, boa rentabilidade e alta liquidez. Mas o cenário de juros baixos nos faz ter que abrir mão de um desses pilares”, afirma Marcos Patron, sócio do escritório Messem Investimentos.

Ao investir de olho em prazos mais longos, o investidor pode optar por ativos com mais volatilidade, diz, porque eles tendem a oferecer maior potencial de retorno.

Bolsa: ainda há oportunidade

Apesar da forte retomada do Ibovespa, com alta de 59,2% desde a mínima do ano, em 23 de março, com o índice de volta aos 102.801 pontos, a avaliação é de que a Bolsa, que cai 12,5% em 2020, ainda oferece oportunidades.

Além do aumento do fluxo de investidores para o risco, movimento natural em um ambiente de juros baixos, a retomada do lucro das companhias deve impulsionar os preços das ações nos próximos meses, defende Camila Magalhães, diretora de investimentos e sócia da Sonata Gestora de Patrimônio.

Dito isso, a preferência recai sobre empresas sólidas, líderes nos segmentos em que atuam, que devem ganhar participação de mercado em meio à crise. “Quem olhar com frieza e foco de longo prazo conseguirá fazer excelentes negócios. Devemos ver mais chacoalhadas [na Bolsa], então quem não conseguiu alocar, ainda tem espaço”, diz.

Neste novo patamar de juros, mesmo o investidor mais conservador vai ter que se expor à renda variável se quiser ter retorno.

No escritório G2 Investimentos, o sócio Fernando Gaertner recomenda aos clientes uma parcela de 5% a 8% do portfólio conservador em ações, fatia que cresce até 30% nos perfis arrojados.

Para quem está começando na renda variável, os fundos de dividendos são uma opção interessante, diz Camila, que destaca a importância da análise do gestor e da criação de um “mix” de estratégias.

Fundos Imobiliários

Outra classe que ganha atratividade em meio aos juros baixos é a de fundos imobiliários. Diante da forte valorização dos fundos de logística, a oportunidade hoje pode ser encontrada em carteiras de lajes corporativas que, segundo Yuri Bialoskorski, gestor da More Invest, foram penalizadas pela crise e estão baratas.

Uma das posições que o fundo de fundos imobiliários da casa, o More Real Estate FOF ([ativo=MORE11]), ampliou nos últimos meses foi a do RB Capital Office (RBCO11), um dos principais FIIs do portfólio.

Fundos com foco em varejo também entram na lista. Em junho, o FOF da gestora alocou recursos no TRX Real Estate (TRXF11), que possui imóveis locados por grandes empresas, como Pão de Açúcar, e no qual 100% dos contratos são atípicos.

Além disso, após uma oferta mais reprimida nos meses mais agudos da crise, a avaliação é de que novas emissões de FIIs também podem ser interessantes para os investidores da gestora de patrimônio.

Renda fixa

Na renda fixa, apesar da inflação atualmente controlada, a preferência dos especialistas consultados ainda recai sobre produtos indexados ao IPCA, de forma a proteger o poder de compra do investidor no longo prazo.

Na More Invest, Bialoskorski tem recomendado aos clientes títulos públicos indexados à inflação (Tesouro IPCA+) com vencimentos em 2035, 2045 e 2050, nos quais avalia que há espaço para ganho. As posições, contudo, são pequenas, dado o risco de descontrole fiscal no horizonte, o que elevaria os prêmios pagos pelos papéis.

“Com os auxílios emergenciais que foram necessários, a relação entre dívida e PIB piorou de forma substancial e a trajetória para recuperar esse espaço perdido do lado fiscal vai exigir uma reforma e que o governo continue respeitando o teto de gastos”, afirma.

Leia também:

Mercado vê risco crescente de mudança no teto de gastos em 2021, diz XP

• Com Selic em 2% ao ano, banco ganha 56 vezes mais nos empréstimos do que você ganha ao investir

Camila, da Sonata, diz ver retornos mais interessantes nos papéis de crédito privado de primeira linha, até “AA”, negociados no varejo.

Nas últimas semanas, a gestora aproveitou emissões de debêntures, bem como de certificados do agronegócio e imobiliário, com prazo médio de oito a dez anos e retorno na casa de IPCA mais 4% ao ano, de empresas como Brasil Foods (CRA), Raízen (CRA) e Eneva (debênture).

Caso o investidor opte por um fundo de crédito privado em vez de escolher os papéis por conta própria, Gaertner, da G2 Investimentos, recomenda analisar o histórico do fundo e, sempre que possível, os ativos que compõem o portfólio, a qualidade do crédito e o time de gestão.

Venture Capital e FIDCs

Na Sonata, uma estratégia que tem sido indicada aos clientes, que têm um patrimônio médio de R$ 30 milhões, é a de venture capital. A categoria se refere a fundos que compram participação em empresas de capital fechado, com alto potencial de crescimento, mas ainda em fase de estruturação.

A preferência recai sobre aqueles com foco em tecnologia. “É um setor que se mostrou muito resiliente na crise e que no Brasil ainda tem pouca penetração”, afirma Camila.

A gestora destaca, contudo, que são investimentos menos líquidos e com foco no longo prazo, e, portanto, ocupam um percentual menor na carteira.

Fundos de venture capital são ainda restritos a investidores qualificados, ou seja, com pelo menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Para Bialoskorski, da More Invest, a “cereja do bolo” hoje é o investimento em crédito estruturado, por meio de Fundos de Direito Creditório (FIDCs). O produto também é restrito, contudo, ao investidor qualificado.

“É um mercado que ainda não teve uma pulverização muito grande para pessoas físicas via plataformas e que possui muito prêmio de risco, bastante gordura de crédito para ter retorno”, assinala.

O gestor chama atenção para a rentabilidade média, de CDI mais 3,5%. “É uma análise difícil de ser feita, com diferentes classes dentro do próprio ativo, então é importante ter um gestor que consiga selecionar esses FIDCs”, sugere.

Aprenda a fazer trades com potencial de ganho de R$ 50 a R$ 500 operando apenas 10 minutos por dia: inscreva-se gratuitamente na Semana dos Vencedores