Presidente da Câmara

Maia: Guedes tem credibilidade e mudança pode ser interpretada de forma negativa

"No meio de uma pandemia, troca de ministros sempre gera insegurança", afirma o presidente da Câmara

Rodrigo Maia (Foto: Tania Rego/Agência Brasil)
Aprenda a investir na bolsa

Mesmo em conflito com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a permanência do economista no governo de Jair Bolsonaro.

“No meio de uma pandemia, troca de ministros sempre gera insegurança. Você tem dois ministros que têm ainda credibilidade na sociedade e um terceiro, Paulo Guedes, que também tem credibilidade na sociedade. Tive alguns conflitos com ele nas últimas semanas, mas isso não me coloca aqui apenas para criticá-lo, ele tem credibilidade”, disse Maia nesta segunda-feira, 27, ao ser questionado sobre uma possível saída de Guedes.

Para Maia, uma mudança agora pode ser interpretada de forma negativa pela sociedade. “Acho que ele (Guedes) tem tentado colaborar da forma que ele acredita, por isso que muitas vezes a gente diverge, mas diverge do ponto de vista das ideias, não do pessoal. O que a gente espera é que, com menos turbulência, todos juntos possam construir um caminho para que o Brasil possa superar essa crise, com um dano menor.”

Aprenda a investir na bolsa

Maia e Guedes divergiram sobre como socorrer os Estados durante a pandemia. A Câmara dos Deputados aprovou um projeto que prevê a compensação da queda de arrecadação do Imposto sobre circulação de mercadorias e prestação de serviços (ICMS) pela União.

Já o governo federal quer oferecer um valor fixo atrelado a contrapartidas, como o congelamento do salário de servidores.

O projeto está sendo discutido agora pelo Senado Federal. “Acho que é legítimo que o Senado trabalhe e possa manter ou não, retificar o texto da Câmara, mas nós temos muita convicção”, afirmou Maia sobre o socorro aos Estados.

O deputado disse que sua convicção aumentou muito em relação à necessidade de garantir um seguro sobre a queda de arrecadação de impostos.

“Não podemos esquecer que outros impostos, como o caso do IPVA, IPTU, também terão quedas de arrecadação grandes”, lembrou. “Vamos esperar o texto apresentado pelo presidente do Senado e vamos dialogar”, finalizou.

Tudo o que você precisa saber para lucrar na Bolsa de Valores operando da sua casa em um curso gratuito: clique aqui e participe!

PUBLICIDADE