Novos cortes

JPMorgan e Goldman derrubam projeção do PIB do Brasil em 2020 e veem queda de até 1% em 2020

Impacto do coronavírus é sentido na economia brasileira, fazendo com que mais dois grandes bancos cortem as estimativas para a atividade

SÃO PAULO – Em meio à pandemia de coronavírus, o JPMorgan fez a revisão mais drástica para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para este ano entre grandes bancos, passando de uma estimativa de alta de 1,6% para queda de 1% (a primeira contração anual desde 2016) e projetando uma “profunda recessão” no primeiro semestre.

O Goldman Sachs também cortou sua estimativa para 2020, passando de expansão de 1,5% para queda de 0,9%.

“A combinação de demanda externa por bens e serviços em queda, piora dos termos de troca, aperto significativo das condições financeiras dentro do país e impacto econômico das medidas em rápida escalada para lidar com o surto de Covid-19 dentro das fronteiras nacionais, nos levaram a revisar ainda mais para baixo nossas perspectivas para as economias” da América Latina, apontou o Goldman.

Já os economistas do JP destacam que, em termos anualizados, a atividade brasileira deve registrar uma queda de 3,5% nos três primeiros meses do ano, já refletindo os efeitos da queda do PIB mundial por conta do coronavírus e também com as medidas para conter a proliferação da doença.

Para os três meses seguintes, eles avaliam que os efeitos negativos da disseminação da doença, o aperto nas condições financeiras, a recessão global e as medidas de contenção em território nacional devem levar a uma desaceleração ainda maior da atividade, sendo parcialmente compensada por medidas fiscais.

No segundo semestre, com o vírus contido, a produção global em recuperação e a normalização da liquidez, o quadro aponta para uma retomada, com expectativa de que a atividade cresça 7% no terceiro trimestre e 3% nos últimos três meses do ano, em termos anualizados e com ajuste sazonal. Porém, isso não será suficiente para reverter o cenário de queda anual.

Medidas do governo e riscos políticos

Ao comentar as políticas do âmbito fiscal adotadas pelo governo para reduzir o impacto da crise do coronavírus na economia, os economistas avaliam que elas poderiam adicionar um impulso fiscal total de até 1,8% do PIB, sendo ele principalmente no segundo trimestre e com o efeito terminando no quarto trimestre, mas com baixo impacto geral no ano.

Já entre as medidas mais permanentes, o governo fez um anúncio de apenas R$ 8,1 bilhões em gastos públicos. “Estimamos que esse número não seja suficiente e o governo elevará os gastos em R$ 35 bilhões. Para isso, assumimos que o governo alterará a meta fiscal.”

O JPMorgan também destaca as discussões que cresceram sobre mudança do teto de gastos, o que os economistas avaliam como contraproducentes, à medida que desestabilizam a confiança do mercado.

Os economistas também apontam o risco político, lembrando da inesperada derrubada pelo Congresso do veto do presidente Jair Bolsonaro, o que ampliou a abrangência para o Benefício da Prestação Continuada (BPC), elevando o gasto anual para R$ 20 bilhões nos próximos dez anos. Além disso, “os protestos de 15 de março com pautas contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, particularmente quando somados a uma desaceleração do crescimento, reforçam a fragilidade do equilíbrio político neste momento. O momento negativo poderia alimentar a oposição contra o governo e sua agenda, reduzindo a manobra de combate à recessão e até a capacidade de conter o propagação do coronavírus”.

Pelo menos por enquanto, o JP espera que o Congresso se concentre mais em medidas de curto prazo para combater a Covid-19 e deixe as discussões sobre reformas para mais tarde. “Em nossa opinião, o potencial aumento das tensões políticas é um dos riscos mais importantes que podem afetar negativamente a economia brasileira por um período mais longo de tempo”, reforçam.

Aproveite as oportunidades para fazer seu dinheiro render mais: abra uma conta na Clear com taxa zero para corretagem de ações.