Segunda onda na Europa

Itália pode ter que gastar até US$ 12 bi ao mês com ajuda devido à Covid

A Itália registrou 35.098 novos casos de coronavírus na terça-feira e deve ultrapassar um milhão de pessoas contagiadas nesta semana

arrow_forwardMais sobre
Homem com roupa de proteção caminha na região de Veneza, Itália (Fotos Públicas)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — A Itália pode precisar gastar até 10 bilhões de euros (US$ 11,8 bilhões) por mês para ajudar empresas e trabalhadores atingidos pelas restrições do coronavírus, segundo pessoas a par do assunto.

Autoridades avaliam planos que ajudariam o país a superar o aumento de casos que atrasa a recuperação de uma das piores recessões da Europa.

As medidas semelhantes às impostas no início do ano devem custar ao governo entre 40 bilhões e 50 bilhões de euros, ou cerca de 3% do PIB da Itália, caso durem até março, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas.

Aprenda a investir na bolsa

Sob restrições mais suaves, as despesas com as ajudas seriam de pelo menos 6 bilhões de euros por mês, disseram.

Uma autoridade do Tesouro disse que, neste momento, apenas os planos e projeções de gastos aprovados estão confirmados.

A Itália registrou 35.098 novos casos de coronavírus na terça-feira e deve ultrapassar um milhão de pessoas contagiadas nesta semana. Hospitais estão sob forte pressão em todo o país, com mais da metade dos leitos ocupados por pacientes de Covid-19.

Leia também: A segunda onda da pandemia vai chegar ao Brasil? Veja o que dizem 3 autoridades no assunto

A terceira maior economia da zona do euro enfrenta desafios para amenizar o impacto do coronavírus, em grande parte porque o governo não tem espaço fiscal para gastar durante a crise.

Sobrecarregado com um dos maiores índices de endividamento do mundo, o país contou com o apoio do Banco Central Europeu para acessar o mercados de títulos.

PUBLICIDADE

Para amortecer o impacto de um lockdown parcial em várias regiões, o governo já aprovou 8 bilhões de euros em apoio adicional. Os gastos teriam de aumentar se os casos de coronavírus subirem ainda mais e se fossem necessárias restrições mais duras, disseram as pessoas.

A Bloomberg Economics estima que a economia italiana irá encolher 1,8% nos últimos três meses do ano se as restrições atuais não mudarem. O resultado seria bem menor do que a queda de 13% registrada no segundo trimestre.

Embora o pacote de ajuda de novembro deva ser financiado por economias sem necessidade de criar dívida extra, qualquer gasto adicional precisaria ser financiado com mais empréstimos. No início de outubro, a Itália estimava déficit de 10,8% do PIB em 2020.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.