Inflação

Inflação medida pelo IPCA sobe 0,26% em junho, um pouco abaixo do esperado pelo mercado

A expectativa mediana dos economistas compilada no consenso Bloomberg era de alta de 0,30% na base de comparação mensal

arrow_forwardMais sobre
supermercado coronavírus máscara caixa pagamento varejo vendas quarentena isolamento
(Getty Images)

SÃO PAULO – A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,26% em junho na comparação mensal, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (10).

Na medição anterior, houve uma deflação de 0,38%. Na comparação com junho de 2019, houve alta de 2,13%. O indicador acumula alta de 0,10% no ano.

A expectativa mediana dos economistas compilada no consenso Bloomberg era de alta de 0,30% na base de comparação mensal e de 2,17% na comparação anual.

PUBLICIDADE

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta em junho. O maior impacto (0,08 ponto percentual) veio de Alimentação e bebidas (0,38%), que acelerou em relação ao resultado de maio (0,24%). A segunda maior contribuição (0,06 p.p.) veio dos Transportes, cujos preços subiram 0,31% após a queda de 1,90% em maio.

Outros destaques foram os grupos artigos de residência (1,30%), que apresentou a maior variação positiva no índice do mês, e saúde e cuidados pessoais (0,35%). No lado das quedas, destaca-se a variação de Vestuário (-0,46%), que contribuiu com -0,02 p.p. no índice de junho. Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,05% ocorrida em despesas pessoais e a alta de 0,75% registrada no setor de comunicação.

Em alimentação e bebidas, a alta foi principalmente por conta dos preços das carnes (1,19%) e do leite longa vida (2,33%). Outros itens importantes na cesta de consumo das famílias, como o arroz (2,74%), o feijão-carioca (4,96%) e o queijo (2,48%) também registraram variação positiva, contribuindo com 0,01 p.p. de impacto cada.

No lado das quedas, os destaques foram o tomate (-15,04%) e a cenoura (-8,88%), cujos preços já haviam recuado em maio (-7,34% e -14,95%, respectivamente).

A alimentação fora do domicílio também acelerou na passagem de maio (0,04%) para junho (0,22%), especialmente por conta do item lanche (1,01%), que contribuiu com 0,02 p.p. no IPCA de junho. A refeição (-0,07%), por sua vez, apresentou queda menos intensa na comparação com maio (-0,34%).

Transportes (0,31%) registrou variação positiva após quatro meses consecutivos de quedas, especialmente por conta da alta nos preços da gasolina (3,24%), maior impacto individual no índice do mês (0,14 p.p.). Etanol (5,74%), gás veicular (1,01%) e óleo diesel (0,04%) também registraram alta, levando o preço dos combustíveis a subir 3,37% (frente à variação de -4,56% registrada em maio).

PUBLICIDADE

No lado das quedas, os destaques foram as passagens aéreas (-26,01%), que apresentaram variação similar à observada em maio (-27,14%) e contribuíram com o maior impacto individual negativo no IPCA de junho (-0,11 p.p.). Além disso, o item transporte por aplicativo, após alta de 5,01% em maio, registrou -13,95% de variação e contribuiu com -0,03 p.p. no índice do mês.

A maior variação positiva no IPCA de junho veio dos Artigos de residência (1,30%), em função da alta dos eletrodomésticos e equipamentos (2,92%) e dos artigos de tv, som e informática (3,80%), que contribuíram com 0,02 p.p. e 0,03 p.p., respectivamente. Os itens de mobiliário (-1,33%) seguem em queda, embora a variação tenha sido menos intensa que a observada em maio (-3,17%).

Em Saúde e cuidados pessoais (0,35%), os destaques foram os produtos farmacêuticos, que subiram 1,44% e contribuíram com 0,05 p.p. no índice do mês, após queda de 1,16% no mês anterior.

A maior variação negativa (-0,46%) e o maior impacto negativo (-0,02 p.p.) no IPCA de junho vieram de Vestuário, que já havia apresentado queda no mês anterior (-0,58%). As roupas femininas (-0,95%), infantis (-0,41%) e os calçados e acessórios (-0,61%) registraram recuo nos preços, enquanto as joias e bijuterias subiram 0,54%, acumulando alta de 6,50% no ano.

Em Habitação (0,04%), destaca-se, por um lado, a variação positiva do gás de botijão (1,41%) e, por outro, a queda na energia elétrica residencial (-0,34%). Vale lembrar que, no dia 26 de maio, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) anunciou que irá manter a bandeira tarifária verde, em que não há cobrança adicional na conta de luz, até o final deste ano. Em Curitiba (-0,42%), houve redução de 0,94% nas tarifas, em vigor desde 24 de junho.

Para Marcelo Neves, professor da Fipecafi, as expectativas para a inflação estão bem ancoradas, principalmente em dois fatores bastante importantes na composição de preços, que foi de combustíveis e alimentos, não havendo grandes surpresas.

Sobre a política monetária, o professor avalia que o Banco Central está em uma situação um pouco desconfortável, uma vez que o piso da meta da inflação é de 2,5% ao ano, enquanto a inflação esperada (segundo projeção do relatório Focus) é de 1,63%. Contudo, ele avalia que, com a retomada das atividades, haverá uma reancoragem das estimativas e a inflação ficará próxima ou em linha com o piso da meta.

Newsletter InfoMoney – Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.