IPC-S perde força e sobe 0,57% na 2ª quadrissemana de junho, diz FGV

Houve desaceleração em seis das oito classes de despesas do indicador, com destaque para Educação, leitura e recreação, puxada por passagem aérea; em 12 meses, a inflação passou de 4,07% para 3,99%

Estadão Conteúdo

Variação nos preços das passagens aéreas foi destaque no período (Foto: Divulgação/Aeroporto de Congonhas)
Variação nos preços das passagens aéreas foi destaque no período (Foto: Divulgação/Aeroporto de Congonhas)

Publicidade

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), desacelerou de 0,64% para 0,57% entre a primeira e a segunda quadrissemana de junho. No acumulado em 12 meses, a variação passou de 4,07% para 3,99% no período.

Houve nesta leitura desaceleração em seis das oito classes de despesas que compõem o indicador, com destaque para Educação, leitura e recreação (0,47% para 0,07%), puxado por passagem aérea (3,14% para 0,34%).

Também arrefeceram Transportes (0,49% para 0,36%), Comunicação (0,43% para 0,32%), Habitação (0,56% para 0,48%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,79% para 0,73%) e Vestuário (-0,06% para -0,07%).

Continua depois da publicidade

Na outra ponta, registraram acréscimo Alimentação (1,05% para 1,14%) e Despesas diversas (0,38% para 0,51%).

Influências

As maiores influências para baixo no IPC-S da segunda quadrissemana do mês partiram de banana-prata (-10,56% para -8,96%); mamão papaya (-0,73% para -4,70%); laranja-pera (-6,08% para -6,02%); banana-nanica (-5,65% para -5,13%); feijão-preto (-7,07% para -7,53%).

Já as maiores influências positivas vieram de batata-inglesa (24,79% para 25,35%); leite tipo longa vida (6,38% para 7,89%); taxa de água e esgoto (2,28% para 2,17%); gasolina (0,94% para 0,76%); aluguel residencial (1,35% para 0,93%).