Indústria da China recua de forma inesperada com persistência de crise imobiliária

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) oficial do setor industrial caiu para 49,5 em maio, ante 50,4 em abril

Reuters

Linha de produção de aspirador de pó robô em Shenzhen, na China (REUTERS/Jason Lee)
Linha de produção de aspirador de pó robô em Shenzhen, na China (REUTERS/Jason Lee)

Publicidade

PEQUIM (Reuters) – A atividade industrial da China recuou de forma inesperada em maio, mantendo vivos os pedidos por novos estímulos estatais, uma vez que a prolongada crise imobiliária na segunda maior economia do mundo continua pesando sobre a confiança das empresas, dos consumidores e dos investidores.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) oficial do setor industrial caiu para 49,5 em maio, ante 50,4 em abril, informou o National Bureau of Statistics (NBS) nesta sexta-feira, abaixo da marca de 50 que separa o crescimento da contração, e abaixo da previsão dos analistas de 50,4.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

O número decepcionante se soma a uma série de indicadores recentes que mostram que a economia chinesa está tendo problemas para se reerguer, corroendo o otimismo anterior visto após dados de produção e comércio melhores do que o esperado.

“Acho que os dados refletem particularmente a demanda doméstica fraca, o setor imobiliário continuou piorando e as vendas no varejo não foram fortes”, disse Xu Tianchen, economista sênior da Economist Intelligence Unit.

“A leitura de maio pode indicar um ponto temporário. Provavelmente veremos uma melhora em junho, quando as novas políticas governamentais começarem a ter impacto, como o plano de resgate de propriedades e a emissão de títulos soberanos especiais”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Os subíndices do PMI para novos pedidos voltaram a se contrair depois de dois meses de crescimento, enquanto o nível de emprego seguiu diminuindo.

Os problemas no setor imobiliário têm tido um impacto negativo em amplas áreas da economia chinesa e desacelerado os esforços de Pequim para mudar seu modelo de crescimento mais para o consumo interno do que para o investimento fomentado por dívidas.

No mês passado, as vendas no varejo tiveram o crescimento mais lento desde dezembro de 2022, enquanto os preços das novas residências caíram pela taxa mais rápida em nove anos, o que sugere que é muito cedo para dizer se a economia chinesa finalmente se recuperou.

Continua depois da publicidade

Na quarta-feira, o Fundo Monetário Internacional revisou para cima sua previsão de crescimento da China em 0,4 ponto percentual, para 5% em 2024 e 4,5% em 2025, mas alertou que o setor imobiliário continua sendo um risco importante para o crescimento.

A China divulgou neste mês medidas “históricas” para estabilizar o mercado imobiliário, mas os analistas afirmam que elas estão aquém do que é necessário para uma recuperação sustentável.