Governo de SP mantém uso obrigatório de máscara e acompanha indicadores para possível flexibilização

Apesar de melhora dos indicadores, governo destaca necessidade de acompanhar dados após novas mudanças no Plano São Paulo

Mariana Zonta d'Ávila

Tipo de máscara usada na pandemia (pinkomelet/GettyImages)

Publicidade

SÃO PAULO – O governo do estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (20) que não deve flexibilizar o uso obrigatório de máscara no momento. A informação foi dada por João Gabbardo, coordenador executivo do Comitê Científico, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

“Entendemos que não é o momento, mesmo com os números positivos. Estamos passando por transições do Plano São Paulo importantes, como a volta às aulas, a presença de público em espetáculos e eventos esportivos, e com redução das medidas de distanciamento social. Agora, precisamos acompanhar qual será o impacto dessas modificações nos nossos indicadores”, afirmou.

Segundo ele, o Comitê Científico está estudando um conjunto de indicadores relacionados à transmissibilidade da Covid-19, como número de novos casos e internações, indicadores que vão ajudar a decidir quando será possível flexibilizar o uso obrigatório de máscara.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Eles não vão indicar uma data [específica] para a flexibilização, mas, no momento em que atingirmos esses indicadores, haverá a possibilidade de tornar não obrigatório o uso de máscara em algumas situações, iniciando pelos ambientes externos, ao ar livre, sem aglomerações”, disse.

Há duas semanas, Gabbardo havia informado que o tema estava sendo discutido pelo Comitê Científico e que uma decisão final deveria ser divulgada nos dias seguintes. Na data, João Doria, governador de São Paulo, afirmou que o horizonte de curto prazo era “otimista em relação a São Paulo” e que haveria uma coletiva de imprensa na semana do dia 18 de outubro para anunciar novas medidas com relação à deliberação do uso de máscaras.

No Rio de Janeiro, Daniel Soranz, secretário municipal de Saúde, disse nesta segunda-feira (18) que a prefeitura planeja tirar a obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes ao ar livre a partir da próxima terça-feira (26). Segundo dados da prefeitura, cerca de 61,3% da população do Rio já completou o esquema vacinal e a expectativa do secretário é de que esse número suba para 65% até o início da semana que vem.

Continua depois da publicidade

Nesta quarta, Gabbardo disse ainda que o governo tem recebido manifestações de setores da economia, como o de eventos, pedindo para que não seja flexibilizado o uso de máscara no momento, dado o receio de um retrocesso, como o fechamento de estabelecimentos por conta de um aumento no número de casos da doença, por exemplo.

“Sempre avançamos com muita segurança, não queremos o retrocesso. Por isso, vamos fazendo um avanço gradativo para que não tenhamos que repetir aquilo que alguns países fizeram”, afirmou.

Gabbardo disse ainda que o Comitê Científico vai pedir ao governo para que, mesmo após a pandemia, algumas situações exijam o uso obrigatório de máscara, como em ambientes hospitalares.

De acordo com o “Vacinômetro” do estado de São Paulo, já foram aplicadas 69,3 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus. Quando analisado o público acima de 18 anos, cerca de 84% da população já tomou as duas doses do imunizante. Com relação à dose adicional, já foram aplicadas 1,9 milhão de doses no estado.

Curso inédito “Os 7 Segredos da Prosperidade” reúne ensinamentos de qualidade de vida e saúde financeira. Faça sua pré-inscrição gratuita.