Governo argentino está finalizando detalhes de acordo com FMI, diz porta-voz

A Argentina, que luta contra uma inflação que se aproxima de 200% e com reservas líquidas de moeda estrangeira em território negativo, precisa retomar seu enorme acordo com o Fundo

Reuters

Publicidade

BUENOS AIRES (Reuters) – O governo da Argentina está finalizando os detalhes de um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre seu programa de empréstimo de 44 bilhões de dólares e deve anunciar o acordo ainda nesta quarta-feira, disse um porta-voz do governo.

“O governo anunciará o acordo com o FMI hoje. As autoridades do Ministério da Economia estão finalizando os detalhes com a equipe técnica da agência”, disse o porta-voz em um breve comunicado.

Os comentários e a crescente esperança de um acordo elevaram o preço dos títulos soberanos argentinos nesta quarta-feira, que subiram em média 3% depois de terem perdido terreno nos últimos dias. Um índice de risco do país diminuiu depois de atingir um pico de sete semanas na terça-feira.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Argentina, que luta contra uma inflação que se aproxima de 200% e com reservas líquidas de moeda estrangeira em território negativo, precisa retomar seu enorme acordo com o Fundo, depois que o governo anterior não cumpriu várias metas econômicas ligadas ao programa.

O novo governo tem mantido discussões com as autoridades do FMI em Buenos Aires desde o final da semana passada, com o objetivo de desbloquear a sétima revisão do programa e cerca de 3,3 bilhões de dólares em fundos, necessários para o pagamento de suas dívidas.

Os mercados argentinos, que dispararam depois que o presidente Javier Milei assumiu o cargo no mês passado, agora estão dando ao líder libertário uma dose de realidade, o que ressalta o desafio que o novo governo enfrenta para resolver a pior crise econômica do país das últimas décadas.