Imunização

Governo anuncia acordo com Pfizer por 14 milhões de doses de vacina contra Covid-19 até junho

Imunizante recebeu registro definitivo no Brasil, mas país ainda não recebeu doses para campanha de imunização

Vacina contra Covid-19 da Pfizer (REUTERS/Dado Ruvic)
Vacina contra Covid-19 da Pfizer (REUTERS/Dado Ruvic)

SÃO PAULO – A farmacêutica Pfizer vai entregar 14 milhões de doses de sua vacina contra Covid-19, produzida em parceria com o laboratório alemão BioNTech, ao Brasil até junho de 2021.

As informações foram dadas pelo assessor especial do Ministério da Saúde, Airton Soligo, em conversa com a imprensa no Palácio do Planalto, nesta segunda-feira (8), após videoconferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com representantes da companhia.

O movimento representa a antecipação da entrega de 5 milhões de doses. Os imunizantes estavam previstos para o segundo semestre, mas agora ficaram para os meses de maio e junho, somando-se às 9 milhões de doses já previstas para o período (2 milhões em maio e 7 milhões em junho).

O Brasil negocia com a Pfizer um total de 99 milhões de doses até o fim do ano e tenta antecipar os prazos, em meio ao recrudescimento da crise sanitária, com explosão de casos e óbitos provocados pela doença e um pico de internações em unidades de saúde de todo o país.

“A [entrega da] grande maioria das vacinas da Pfizer estava [prevista] em outubro, novembro e dezembro. O presidente fará esforço para que seja antecipado do último trimestre para o terceiro trimestre”, disse Soligo.

O imunizante é o único com registro definitivo concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas ainda não foi aplicado pelo Programa Nacional de Imunização. Por enquanto, o Brasil só conta com as vacinas CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e Oxford/AstraZeneca, em parceria local com a Fundação Oswaldo Cruz.

O ministro Paulo Guedes (Economia) também conversou com os jornalistas no Palácio do Planalto e disse que o Brasil obteve “praticamente uma declaração de que o acordo está fechado” com a Pfizer. O contrato, porém, ainda não foi assinado. “Esse foi o acordo entre o presidente da República e o presidente da Pfizer [Albert Bourla]. Está fechado. Agora eles vão escrever, assinar”, disse.

À imprensa, Guedes afirmou que a produção da farmacêutica deve aumentar de 1,5 milhão de doses diárias para 5 milhões, o que permitirá a antecipação do calendário de entrega para o Brasil e outros países. A evolução das negociações ocorre mais de um mês após o início da campanha de vacinação no país.

Diante das críticas de atraso nas negociações com as farmacêuticas e lentidão na campanha de vacinação, o chefe da equipe econômica disse que a imunização da população é a prioridade do governo. “A vacinação em massa é a primeira prioridade do governo”, disse. “Vamos vacinar e manter a economia em movimento”, acrescentou.

PUBLICIDADE

Após a entrega das 14 milhões de doses, o laboratório deve disponibilizar pelo menos mais 10 milhões de doses por mês de julho a outubro, disse Soligo.

O encontro de Bolsonaro com representantes da Pfizer não constava na agenda presidencial e foi visto como uma resposta do mandatário às críticas dirigidas ao governo federal no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Ontem (7), o Brasil registrou 1.054 novas mortes provocadas pela doença, e, pelo nono dia seguido, manteve recorde na média móvel de óbitos em sete dias, com 1.497 registros. Desde o início da pandemia, 265.500 brasileiros morreram de Covid-19. Foram registrados 11.018.557 casos.

O InfoMoney entrou em contato com a Pfizer, que não confirmou as falas de Paulo Guedes e nem o acordo para as 14 milhões de doses. Veja o comunicado na íntegra:

“Com relação à reunião realizada entre o Excelentíssimo Senhor Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e o Presidente Mundial da Pfizer, Albert Bourla, a Pfizer informa:

Ao longo do encontro, o CEO da Pfizer reiterou o compromisso da companhia com o Brasil. Albert Bourla reforçou que a Pfizer considera o país um dos parceiros mais valiosos e importantes globalmente, e que a Pfizer espera seguir avançando para o fornecimento de sua vacina contra a COVID-19 para apoiar o Governo Brasileiro na preservação da saúde da população brasileira.

O CEO também comentou que a Pfizer e a BioNTech estão firmemente comprometidas com o acesso equitativo às vacinas COVID-19 para pessoas em todo o mundo.”

Vacinação no Brasil

A vacina contra Covid-19 da Pfizer, desenvolvida em conjunto com o laboratório alemão BioNTech, está sendo aplicada nos Estados Unidos e no Reino Unido desde dezembro, além de ser o imunizante mais usado em Israel.

PUBLICIDADE

Considerado um dos imunizantes de maior eficácia no mundo até o momento, a vacina enfrentava a resistência do governo em razão de cláusulas que previam a transferência de responsabilidade. Mesmo assim, o imunizante da Pfizer/BioNTech foi o único a obter um registro definitivo dado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O país usa por enquanto as vacinas CoronaVac (produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac) e Oxford/Astrazeneca (produzida pela universidade e farmacêutica britânicas, em parceria local com a Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz). As duas receberam a aprovação da Anvisa para uso emergencial, não para registro definitivo.

Questionado sobre atrasos nas negociações com a Pfizer, Soligo afirmou que o acordo anterior não pôde ser fechado por conta de cláusulas contratuais, sem entrar em detalhes. No último domingo (7), o jornal Folha de S.Paulo revelou que, em 2019, o governo brasileiro recusou proposta da Pfizer que previa entrega de 70 milhões de vacinas até dezembro deste ano, sendo 3 milhões até fevereiro.

Aos jornalistas, Soligo disse que, caso o acordo tivesse sido firmado, o Brasil teria recebido 500 mil doses em janeiro, 500 mil doses em fevereiro e 1 milhão em março. Ele argumentou que o montante foi “incorporado” com a antecipação das entregas para maio e junho. O governo ainda não recebeu doses da Pfizer.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.