FMI projeta alta de 3,2% no PIB da China em 2022 e de 4,4% em 2023

Segundo o Fundo, uma postura de política fiscal neutra voltada para o apoio às famílias impulsionará o crescimento de forma mais eficaz

Estadão Conteúdo

Publicidade

O crescimento do PIB da China é projetado em 3,2% para 2022, melhorando para 4,4% em 2023 e 2024, segundo o estudo mais recente do Fundo Monetário Internacional (FMI). O relatório aponta que, após a impressionante recuperação do impacto inicial da pandemia, o crescimento chinês desacelerou e continua sob pressão.

No curto prazo, uma mudança da estratégia de covid zero, incluindo uma aceleração na vacinação, e outras ações para acabar com a crise do setor imobiliário, apoiariam o crescimento, aponta o Fundo.

“Embora a estratégia zero-covid tenha se tornado mais ágil ao longo do tempo, a combinação de variantes da covid-19 mais contagiosas e lacunas persistentes na vacinação levaram à necessidade de bloqueios mais frequentes, pesando no consumo e no investimento privado, inclusive na habitação”, aponta a vice-diretora do FMI Gita Gopinath.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“O aperto regulatório no setor imobiliário, embora bem-intencionado para conter a alta alavancagem, aumentou as graves tensões financeiras para os desenvolvedores, levando a uma rápida desaceleração nas vendas e investimentos imobiliários, juntamente com um declínio acentuado nas receitas de venda de terras do governo local”, avalia ainda a diretora.

Em 2023, na sequência dos apoios prestados este ano, a política orçamental deverá proteger a recuperação e facilitar o reequilíbrio na China, avalia o FMI. “Uma postura de política fiscal neutra voltada para o apoio às famílias ajudará no reequilíbrio para o consumo e impulsionará o crescimento de forma mais eficaz. A política monetária deve permanecer acomodatícia e basear-se mais em medidas baseadas na taxa de juros”, diz o organismo.

A longo prazo, as crescentes tensões geopolíticas representam riscos de fragmentação por meio de pressões de dissociação financeira e limites ao comércio, investimento estrangeiro direto e troca de conhecimento em torno da tecnologia, avalia o Fundo.