EUA

Integrantes do Fed “têm muitas questões” sobre benefícios de controlar curva de juros nos EUA, mostra ata

Ata da última reunião, em que o comitê decidiu manter os juros entre 0% e 0,25% ao ano, foi divulgada nesta quarta-feira

SÃO PAULO – Em ata da última reunião do dia 10 de junho, em que decidiu manter os juros na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, o Federal Reserve destacou esperar que as medidas de distanciamento social, os menores níveis de emprego e renda restrinjam o ritmo de expansão da economia nos EUA no médio prazo. A ata do último encontro do Federal Open Market Commitee (Fomc) foi divulgada nesta quarta-feira.

Além disso, os integrantes do comitê mostraram ter muitas questões sobre se é benéfico ou não fazer o controle da curva de juros.

Vale destacar que, em audiência no Senado no último dia 16 de junho, Jerome Powell, presidente do Fed, disse que os dirigentes da instituição discutiram as experiências do uso do instrumento no país e no exterior.

PUBLICIDADE

Ele já havia afirmado que não foi tomada nenhuma decisão, mas não descartou a possibilidade de, no futuro, considerar o instrumento. Segundo ele, se os juros dispararem, a autoridade monetária poderá avaliar a pertinência de um limite para os yields soberanos. “Controle certamente não seria em toda a curva, mas em alguma ponta”, esclareceu na audiência.

Recentemente, cresceram no mercado as apostas de que o recurso pode ser o próximo na caixa de ferramentas do Fed.

Na ata, os integrantes do Fed projetaram ainda que a economia americana irá encolher 6,5% em 2020 por conta dos impactos da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o documento, os integrantes destacaram que o Fed tem tomado diversas medidas para apoiar a economia americana, que deve registrar o pior desempenho desde o pós-guerra no segundo trimestre de 2020.

Os integrantes do comitê indicaram que preferem movimentos futuros na política monetária mais atrelados à inflação. Poucos acreditam que a taxa de desemprego deve guiar as próximas decisões de juros.

Proteja seu patrimônio: abra uma conta gratuita de investimentos na XP

PUBLICIDADE

(Com Agência Estado)