Faturamento do varejo encolhe em junho em termos reais, segundo ICVA

O setor de bens duráveis e semiduráveis encolheu o faturamento em 3%, o de bens não duráveis recuou 1,3% e o de serviços retraiu 1% no mês

Reuters

Alimentos em supermercado (Foto: Divulgação Pão de Açúcar)
Alimentos em supermercado (Foto: Divulgação Pão de Açúcar)

Publicidade

(Reuters) – O faturamento do varejo brasileiro encolheu 1,6% em junho em relação ao mesmo período do ano anterior, descontada a inflação, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) divulgado pela empresa de pagamentos nesta quarta-feira (10).

Em termos nominais, houve alta de 2,8%, mostrou o ICVA, que acompanha mensalmente a evolução das vendas de 820 mil varejistas credenciados a Cielo distribuídos em 18 setores.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita 

Continua depois da publicidade

Nessa medição, que espelha a receita de vendas observadas pelo varejista e embutem a inflação, o e-commerce registrou expansão de 6,9%, enquanto o comércio físico mostrou crescimento de 1,8% na comparação ano a ano.

Todos os três macrossetores registraram queda: o de bens duráveis e semiduráveis encolheu 3%, afetado principalmente pelo segmento de vestuário e artigos esportivos; o de bens não duráveis recuou 1,3%, com livrarias e papelarias sendo o maior peso negativo; e o de serviços retraiu 1% pressionado por estética e cabeleireiros.

A Cielo destacou, porém, crescimento em segmentos vinculados ao Dia dos Namorados, comemorado no dia 12 de junho, tais como óticas e joalherias, varejo alimentício especializado e recreação e lazer.

Continua depois da publicidade

“Assim como o Dia das Mães representou um alento para o Varejo no mês de maio, em junho foi a vez do Dia dos Namorados desempenhar esse papel”, afirmou o vice-presidente de Tecnologia e Negócios da Cielo, Carlos Alves.

Ele ponderou que “o resultado dos chamados segmentos presenteáveis não foi suficiente para estancar a queda do faturamento em geral, mas a data amenizou resultado que seria ainda mais negativo”.

O calendário também suavizou o resultado porque em 2024 não houve feriado de Corpus Christi em junho — diferente de 2023. Com isso, o mês contou com um dia útil a mais.