Rating

“Estamos muito mais preocupados com o lado fiscal do Brasil agora”, diz S&P

Em live, Lisa Schineller afirma que a agência vai monitorar medidas que serão tomadas no pós-coronavírus para o país retomar o controle das contas públicas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO — Com os gastos do governo previstos para o combate à pandemia de coronavírus, o quadro fiscal brasileiro já se tornou um fator negativo para a nota de risco do Brasil na agência de classificação de risco Standard & Poor’s, assim como o impacto esperado para o PIB do país.

Em live da XP Investimentos realizada nesta quinta-feira (16), Lisa Schineller, analista para a América Latina da S&P, destacou que o aumento de gastos públicos será um efeito global na atual situação de surto da Covid-19, mas enfatizou que a agência vai olhar de perto as medidas que serão tomadas pelos governos quando isso tudo passar.

“Será preciso tomar medidas ainda mais rígidas de controle fiscal e reformas para garantir que o déficit volte a representar uma parcela bem menor do PIB”, disse. Segundo Lisa, a incerteza fiscal justifica a decisão da agência, anunciada no início de abril, de reduzir a perspectiva do rating brasileiro de positiva para estável. A nota BB-, de grau especulativo, quando há maior chance de calote da dívida externa, foi mantida.

A analista da S&P afirmou que houve uma mudança importante no cenário global, em especial nas regiões mais pobres, como a América Latina, por causa do coronavírus. “No começo do ano, todos as perspectivas de rating na região eram positivas, agora não são mais.”

A agência recentemente rebaixou o rating mexicano e colocou a perspectiva da nota de risco da Colômbia em negativa. Segundo Lisa, o Chile segue sendo o mais bem avaliado na região pela S&P, enquanto a Argentina e a Venezuela assumem as piores posições neste ranking.

Sobre o Brasil, a analista destacou que não houve corte de rating e apenas um ajuste modesto na perspectiva porque a situação do país antes da crise do coronavírus era favorável. Ela citou que houve a aprovação da reforma da Previdência, corte de gastos e que outras reformas importantes, como a tributária, estavam sendo discutidas.

“Mais cedo neste ano, a probabilidade de aprovação de uma reforma tributária chegou a ser real, não seria fácil, mas estava encaminhada. (…) Conforme o ano passa, vai ser mais difícil para o Brasil aprovar outras reformas, pois tem as eleições municipais e Rodrigo Maia vai sair da presidência da Câmara no fim do ano. Ele estava guiando bem esse processo de aprovações de reformas, é uma figura importante para isso”, avaliou.

Lisa destacou como pontos positivos para o Brasil a efetividade da condução de política monetária, com a menor taxa de juros da história brasileira, além do controle da inflação e das reservas internacionais. “Mas como a classe política vai responder depois que tudo isso passar?”, indagou.

“O Brasil no início do ano tinha tudo para entrar em um potencial ciclo virtuoso da economia. Mesmo que a dinâmica entre o Executivo os demais poderes estivesse mais complicada, havia um consenso sobre aprovação de reformas”, disse. “Agora, o país, assim como todos os outros, vai mergulhar em um déficit elevado, por isso estamos muito mais preocupados hoje do que estávamos antes sobre esse ponto.”

Como se tornar um trader consistente? Aprenda em um curso gratuito os set-ups do Giba, analista técnico da XP, para operar na Bolsa de Valores!