MERCADOS AO VIVO Taxa de desemprego no Brasil atinge recorde de 14,6% no 3º trimestre, diz IBGE

Taxa de desemprego no Brasil atinge recorde de 14,6% no 3º trimestre, diz IBGE

Coronavírus

Espanha deve estender quarentena por mais duas semanas; Alemanha aumenta restrições

Primeiro-ministro espanhol pediu que os ministros responsáveis pela economia dos países da União Europeia criem um novo "plano Marshall"

Aprenda a investir na bolsa

O primeiro-ministro Pedro Sánchez anunciou que a Espanha quer estender a quarentena por mais duas semanas, até 11 de abril, na tentativa de controlar o aumento no número de casos de coronavírus.

Um dia após 394 pessoas morrerem no país em 24 horas, elevando o número de vítimas para 1.720 desde o início da pandemia, Sánchez disse que ele vai pedir ao parlamento da Espanha a extensão do chamado “Estado de Alarme”.

Reconhecendo a perspectiva “muito dura” de uma quarentena de um mês, ele recomendou “responsabilidade e disciplina” à população.

Aprenda a investir na bolsa

O primeiro-ministro espanhol também solicitou que os ministros responsáveis pela economia dos países da União Europeia criem um “Plano Marshall” que ajude a Europa a se recuperar dos efeitos devastadores da pandemia do coronavírus.

“Estamos pedindo que a União Europeia faça o mesmo que estamos fazendo”, disse Pedro Sánchez. “A maior mobilização de recursos econômicos e materiais da história. A Europa está em guerra com o coronavírus, então temos que responder com todas as nossas armas e medidas. Não há desculpas para não usar todos esses recursos”.

Novas medidas na Alemanha

Enquanto isso, na Alemanha, o governo quer proibir qualquer encontro público de mais de duas pessoas, excluindo famílias e pessoas que vivam sob o mesmo lar. A medida deve fechar afetar principalmente restaurantes e serviços prestados por profissionais como cabeleireiros e massagistas.

Analistas estimam que o aumento do número de restrições de circulação deve gerar fazer a economia alemã entrar em recessão. Economistas do Commerzbank preveem que a Alemanha poderá se recuperar no segundo semestre se o vírus for contido, mas esperam que a maior economia da Europa encolha 3,5% neste ano.