Imunização

Epicentro da pandemia, Brasil reduz testagem e tem percentual de positivos 6 vezes acima do recomendado

Com a maior média diária de mortes por Covid-19 nos últimos 7 dias, o Brasil superou os Estados Unidos

arrow_forwardMais sobre
Comércio de rua em São Paulo
(Rodrigo Paiva/Getty Images)

RIO DE JANEIRO – O Brasil se tornou epicentro da pandemia de Covid-19 no mundo e vive um surto ainda pior do que o apontado pelos seguidos recordes de mortes e de casos, uma vez que o baixo número de testes realizados aponta para uma gigantesca subnotificação e o elevado percentual de exames positivos mostra a disseminação sem controle da doença, alertaram especialistas.

Com a maior média diária de mortes por Covid-19 nos últimos 7 dias, o Brasil superou os Estados Unidos, com 1.626 óbitos ante 1.460 nos EUA, de acordo com cálculos da Reuters, e também é o país com o maior número de casos novos por dia em média no período, com quase 70 mil.

Pela primeira vez desde o início da pandemia o Brasil atingiu na quarta-feira a marca de mais de 2.000 óbitos por Covid-19 registrado em apenas um dia, e especialistas apontam que esse número em breve pode passar de 3.000, uma vez que a campanha de vacinação segue em ritmo bastante lento por uma falta de doses.

“A expectativa levando em consideração a não testagem de todos os sintomáticos é que o número oficial de 11 milhões de casos seja de duas a três vezes maior, dentre 22 milhões e 33 milhões de pessoas infectadas. É o padrão de uma epidemia que está completamente descontrolada do ponto de vista de transmissão”, disse o médico Alexandre Naime Barbosa, chefe da infectologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

“Nós estamos no pior momento, mas não chegamos no ápice. Estamos escalando essa montanha ainda, provavelmente no final de março e começo de abril serão 3.000 óbitos por dia. Podemos chegar a meio milhão de mortos até o meio do próximo ano”, acrescentou.

Apesar de atravessar o pior momento da pandemia, o Brasil não cumpre uma das principais medidas recomendadas por especialistas e adotadas por outros países no enfrentamento à Covid-19, a testagem em massa e a busca ativa por casos da doença.

A média diária de exames realizados, segundo dados do Ministério da Saúde, passou 57.263 em janeiro para 47.232 em fevereiro. O recorde de testes foi atingido na penúltima semana do ano passado, com 65.441 em média por dia, e desde então o número tem apresentado tendência de queda, ficando em 43.967 na última semana de fevereiro — a última com dados disponíveis em boletim epidemiológico do ministério.

“Temos uma situação completamente fora de controle e a tendência é que mantenha essa alta de contágio”, disse o pesquisador em saúde pública Diego Xavier, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“A positividade elevada é mais um indicador que reflete esse colapso que a gente está enfrentando. O que precisa é o rastreio de casos. Identificar, testar e isolar. Esse tipo de política que faz interromper a cadeia de transmissão, e isso a gente infelizmente não tem.”

PUBLICIDADE

O Ministério da Saúde não respondeu a um pedido de comentário sobre a redução no número de testes. Em boletim epidemiológico sobre a pandemia, o ministério afirma que realizou a aquisição de testes de extração automatizada e o comodato de equipamentos a fim de aumentar a capacidade de análise de Covid-19.

Com a testagem baixa, o Brasil tem ainda uma taxa de positividade, ou seja, o percentual de resultados positivos no total de testes, de 28,74%, quase seis vezes acima do índice considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como adequado para se conter a pandemia, de 5%.

Na última semana de fevereiro, esse índice brasileiro atingiu 35,71%, o maior patamar sem contar as primeira semanas da pandemia, quando havia uma escassez de testes. Nos Estados Unidos, a positividade média nos últimos 7 dias foi de 4,5%, com uma média de 1.212.844 testes por dia no período, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Além da baixa testagem, o Brasil também só consegue sequenciar o genoma de uma parcela mínima dos casos confirmados de Covid-19, o que dificulta o acompanhamento das novas variantes, como a P1, originada em Manaus no fim do ano passado e que tem causada temor pelo mundo devido à maior transmissibilidade e resistência a anticorpos de infecções anteriores.

Desde o início da pandemia o Brasil conseguiu sequenciar pouco mais 4.500 amostras, segundo a Fiocruz, em um total de mais de 11 milhões de casos confirmados da doença. O Reino Unido, que lidera o mundo em sequenciamento do vírus, sequenciou mais de 336 mil amostras, em um universo bem menor de casos totais, com 4,2 milhões.

Em todo o mês de janeiro, depois de ser identificada a variante de Manaus, foram coletadas no Brasil apenas 616 amostras para sequenciamento, segundo dados da Rede Genômica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O baixo número dificulta o monitoramento da disseminação da variante, que se tornou a prevalente no Brasil em fevereiro e pode estar ainda mais difundida pelo país.

“A vigilância é cara, precisa de mais gente fazendo, mais grupos trabalhando”, disse a imunologista Ester Sabino, professora do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP), que liderou o trabalho de sequenciamento do genoma do primeiro caso de coronavírus no Brasil.

De acordo com o boletim do Ministério da Saúde, o sequenciamento genético não é um método de diagnóstico e não é realizado para a rotina da confirmação laboratorial de casos suspeitos da Covid-19, tampouco é indicado para ser feito para 100% dos casos positivos, contudo a análise do seu resultado permite quantificar e qualificar a diversidade genética viral circulante no país.

PUBLICIDADE

Vista como principal solução para tirar o país do fundo do poço da pandemia, a vacinação se tornou mais um caso de decepção para a população que sofre as consequências do vírus. Além de ter começado a vacinação depois de diversos países, o Brasil enfrenta uma escassez de doses que tem provocado paralisações em diversas cidades, tendo vacinado apenas cerca de 5% da população.

Uma promessa do Ministério da Saúde de distribuir doses este mês para vacinar 10% da população com duas doses não será cumprida, segundo uma revisão dos dados da própria pasta, que agora estima obter doses suficentes para vacinar 6% da população, ou 12,5 milhões de pessoas.

“Com a vacinação a ritmo de tartaruga, o que estamos fazendo no Brasil é expor a população e deixar a seleção natural agir. Não é exagero falar em genocídio”, disse Naime, da Unesp.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.