Em Porto Alegre, IPCA-15 mostrou alta de 0,86% em maio, diz IBGE

Por conta das chuvas, parte da coleta de preços na capital gaúcha foi feita de maneira remota pelo IBGE, por internet ou telefone; prévia da inflação oficial chegou a 3,44% em 12 meses

Roberto de Lira

Ruas alagadas de Porto Alegre (Foto: Rafa Neddermeyer / Agência Brasil)
Ruas alagadas de Porto Alegre (Foto: Rafa Neddermeyer / Agência Brasil)

Publicidade

A inflação medida pelo IPCA-15 na cidade Porto Alegre ficou em 0,86% em maio, mês marcado pelas enchentes que isolaram várias áreas da capital do Rio Grande do Sul, segundo detalhes divulgados  pelo IBGE nesta terça-feira (28). Um mês antes, os preços tinham mostrado queda de 0,01% na comparação mensal.

No ano, o indicador aponta alta de 1,20% na capital gaúcha e, em 12 meses, a prévia da inflação oficial chegou a 3,44%.

Segundo o IBGE, em razão da situação de calamidade pública na região metropolitana de Porto Alegre, a coleta de preços na modalidade remota foi intensificada, permanecendo a coleta em modo presencial quando possível.

Continua depois da publicidade

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 16 de abril a 15 de maio de 2024 e comparados com aqueles vigentes de 15 de março a 15 de abril de 2024. As informações apropriadas no IPCA-15 de maio foram validadas com base nas metodologias de cálculo, crítica e imputação de preços vigentes no Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC).

Em maio, aproximadamente 30% da coleta foi realizada durante a situação emergencial de modo remoto, por telefone ou internet, em vez do modo presencial. A coleta remota de preços foi intensificada a partir do dia 06/05, quando aproximadamente 70% dos preços já tinham sido coletados.

Ainda assim, nem todos os subitens puderam ser coletados por telefone ou pela internet, como foi o caso de alguns subitens do item hortaliças e verduras. Nos casos de ausência de preços foi realizada a imputação dos dados, informou o IBGE.

Continua depois da publicidade

O IPCA-15 refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários-mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e do município de Goiânia.