Pandemia

Dose de reforço pode reduzir ameaça da ômicron, mostram estudos

Estudos, incluído os da África do Sul e da Suécia, mostram que a ômicron causa perda de proteção imunológica, mas não totalmente

Por  Bloomberg -

(Bloomberg) — Os resultados dos primeiros estudos sobre a ômicron são cautelosamente otimistas: embora vacinas como as da Pfizer e BioNTech sejam menos poderosas contra a nova variante do coronavírus, a proteção que oferecem pode aumentar com doses de reforço.

Estudos, incluído os da África do Sul e da Suécia, mostram que, como muitos temiam, a ômicron causa perda de proteção imunológica, mas não totalmente.

Em uma análise do plasma sanguíneo de pessoas que receberam duas doses do imunizante da Pfizer-BioNTech, os níveis de anticorpos bloqueadores do vírus foram 41 vezes menores em comparação com a cepa que circulava no início da pandemia.

Já um estudo do Instituto Karolinska de Estocolmo entregou conclusões mais animadoras, principalmente que a queda dos anticorpos contra a ômicron é apenas um pouco pior do que no caso da delta (variante responsável pela maioria dos casos de Covid-19 em todo o mundo atualmente).

Os resultados traçam uma visão inicial e incompleta do potencial estrago que a ômicron pode causar. Os estudos têm pequena escala e por isso suas descobertas não são conclusivas.

E os dados não contam a história toda, porque os níveis de anticorpos são apenas parte da resposta do sistema imunológico contra o vírus. As células T — apelidadas de “matadoras” — também são importantes na proteção contra doenças graves e é mais difícil medir esse desempenho em laboratório.

Os pesquisadores enxergam motivos para esperança. A perda de imunidade é “significativa, mas não completa”, disse Alex Sigal, pesquisador-chefe do Instituto de Pesquisa em Saúde da África em Durban, que apresentou os resultados do primeiro estudo na terça-feira.

“Um bom reforço provavelmente diminuiria a chance de infecção, especialmente a infecção que leva a doença grave”, disse ele.

Diante de sinais de maior transmissibilidade do coronavírus com a nova cepa, a Organização Mundial de Saúde alertou que a ômicron pode causar surtos com “consequências graves”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda assim, o salto nos casos na África do Sul após o surgimento da ômicron não lotou os hospitais até agora, gerando um otimismo cauteloso de que a nova variante cause principalmente casos leves da doença.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe