Discussões

Crise na Ucrânia: Macron se reúne com Putin e diz que quer evitar guerra

Líderes discutiram a crise entre a Rússia e a Ucrânia

Por  ANSA Brasil -

PARIS, 7 FEV (ANSA) – O presidente da França, Emmanuel Macron, se reuniu nesta segunda-feira (7) com seu homólogo russo, Vladimir Putin, em Moscou, e pediu uma “desescalada” da tensão na fronteira com a Ucrânia, na tentativa de “evitar uma guerra”.

“O diálogo é necessário porque é a única coisa que ajudará, na minha opinião, a construir um contexto de confiança, segurança e estabilidade no continente europeu”, disse Macron, citado pela agência Tass.

O líder francês ressaltou ainda que está pronto para “começar a construir uma resposta eficaz” para “evitar uma guerra”.

Putin, por sua vez, elogiou o papel da França na formação da segurança europeia e observou que aprecia os esforços de Macron para ajudar a garantir “uma segurança igual na Europa” e intermediar um acordo para a crise ucraniana.

“Percebo que compartilhamos a preocupação com o que está acontecendo na Europa na esfera da segurança”, disse o líder russo. “Eu vejo quantas iniciativas a atual liderança francesa e o presidente, pessoalmente, estão empregando para resolver a crise relacionada à garantia de segurança igualitária na Europa, para uma perspectiva histórica séria”, acrescentou Putin.

A reunião entre Macron e Putin é mais um dos esforços internacionais para neutralizar a crise envolvendo Rússia e Ucrânia. O dia será de encontro entre líderes mundiais para debater o tema.

Depois de Moscou, o presidente francês viajará a Kiev, onde se encontrará com o presidente ucraniano, Volodymir Zelensky. Na sequência, ele viaja a Berlim junto ao presidente polonês, Andrzej Duda, para uma cúpula.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, por sua vez, vai a Washington para se reunir com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e os ministros das Relações Exteriores de Alemanha, República Tcheca, Eslováquia e Áustria viajarão a Kiev.

O acúmulo de cerca de 100 mil soldados russos perto da Ucrânia alimentou as preocupações ocidentais de uma possível ofensiva. O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, alertou que a Rússia poderia invadir a Ucrânia “a qualquer dia”, desencadeando um conflito que teria um “enorme custo humano”.

O governo de Putin negou quaisquer planos de atacar seu vizinho, mas exige que os Estados Unidos seus aliados impeçam a Ucrânia de ingressar na Otan.

No último domingo, Macron chegou a conversar por telefone com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre “esforços diplomáticos” para combater a crise. (ANSA)

 

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe