Coreia do Sul e Indonésia fecham acordo para comércio em moeda local

Previsto para entrar em operação em 2024, o acordo deve reduzir a exposição a riscos cambiais e aos custos para empresas e outros usuários

Estadão Conteúdo

Wom: moeda da Coreia do Sul(Getty Images)

Publicidade

O Banco da Coreia do Sul (BoK, na sigla em inglês) e o Banco da Indonésia (BI, na sigla em inglês) anunciaram um acordo neste domingo (10) para promover o uso mais amplo de moedas locais em transações bilaterais. Previsto para entrar em operação em 2024, o acordo deve facilitar a liquidação de transações comerciais entre a Indonésia e a Coreia do Sul em rupia indiana e won coreano, reduzindo a exposição a riscos cambiais e aos custos para empresas e outros usuários.

O acordo foi fechado em uma reunião bilateral na Indonésia, em que os bancos centrais de ambos os países concordaram em estabelecer diretrizes operacionais para o quadro de transações em moeda local como um primeiro passo, após a assinatura de um memorando de entendimento (MoU) em maio deste ano, que já mencionava a promoção de transações bilaterais em moeda local.

Segundo comunicado conjunto dos bancos centrais, “a medida contribuirá para a promoção do comércio entre a Indonésia e a Coreia, bem como para o aprofundamento dos mercados financeiros em moedas locais em ambos os países”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O governador do Banco da Indonésia, Perry Warjiyo, afirmou que a instituição está “entusiasmada” com a iniciativa estratégica, pois esta “oferece mais opções aos usuários para transações comerciais e serve como uma chave para melhorar a eficiência das transações e fortalecer a estabilidade macroeconômica, incentivando o uso mais amplo de moedas locais para transações comerciais bilaterais.”

Já Rhee Chang-yong, governador do Banco da Coreia, disse que “a Indonésia, com seu vasto território e base populacional, desempenha um papel crucial na cadeia de abastecimento global de setores avançados, como baterias e veículos elétricos”, o que, segundo ele, vai de encontro ao interesse de empresas coreanas com sede na Indonésia, que também estão crescendo de forma constante.