Economia americana

Confiança do consumidor nos EUA cai a 100,2 em novembro, próximo do previsto

Expectativas de inflação atingiram o nível mais alto desde julho; intenções de compras de casas, automóveis e eletrodomésticos esfriaram

Por  Estadão Conteúdo -

O índice de confiança do consumidor nos Estados Unidos caiu de 102,2 em outubro para 100,2 em novembro. A informação está presente em pesquisa divulgada nesta terça-feira (29) pelo The Conference Board.

O resultado veio acima da expectativa de analistas: o consenso Refinitiv previa índice de 100.

O Índice da Situação Atual, baseado na avaliação dos consumidores sobre as condições atuais dos negócios e do mercado de trabalho, caiu para 137,4, de 138,7 no mês passado.

Masterclass
As Ações mais Promissoras da Bolsa
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Já o Índice de Expectativas, baseado nas perspectivas de curto prazo dos consumidores para renda, negócios e condições do mercado de trabalho, caiu de 77,9 para 75,4.

Lynn Franco, diretora de indicadores econômicos do The Conference Board disse que a nova queda da confiança provavelmente foi motivada pelo recente aumento nos preços do gás.  “O Índice da Situação Atual moderou ainda mais e continua sugerindo que a economia perdeu impulso à medida que o ano avança. As expectativas dos consumidores em relação às perspectivas de curto prazo permaneceram sombrias. De fato, o Índice de Expectativas está abaixo da leitura de 80, o que sugere que a probabilidade de uma recessão permanece elevada”, alertou

Segundo  a diretora, as expectativas de inflação atingiram o nível mais alto desde julho, com os preços da gasolina e dos alimentos como os principais culpados. Enquanto isso, as intenções de comprar casas, automóveis e eletrodomésticos caros esfriaram. “A combinação de aumentos da inflação e das taxas de juros continuará a representar desafios para a confiança e o crescimento econômico no início de 2023”, previu.

(Com agências)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe