Com mais de 16 mil mortes após terremotos na Turquia e Síria, OMS diz que ‘janela’ para resgates está fechando

Especialistas dizem que apenas 22% das pessoas soterradas conseguem sobreviver após 72 horas; na Síria, guerra civil é outro obstáculo

Roberto de Lira

Terremoto na Turquia (Photo by Zana Halil/ dia images via Getty Images)

Publicidade

Com a contagem oficial de vítimas dosterremotosna última segunda-feira (6) na Turquia e na Síria passado de 16 mil, o diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), Hans Kluge, fez um alerta em entrevista para a rádio BBC que a janela para salvamento das pessoas soterradas por escombros está se fechando rapidamente.

Segundo Kluge, apenas 22% das pessoas presas em escombros sobrevivem por 72 horas após um terremoto, e a porcentagem cai rapidamente a partir de então. Portanto, ele disse acredita que o número de mortos na tragédia será bem maior, embota as equipes estejam trabalhando duro nos resgates.

A Associated Press informou que o número provisório de mortos na Síria – fornecido por funcionários do governo sírio e um grupo de resgate no noroeste do país controlado pelos rebeldes – chegou a 3.162. Já a agência de desastres da Turquia informou hoje o número de mortos confirmados subiu para 12.873 durante a noite. Mais de 60 mil pessoas estão feridas na Turquia e mais de 5 mil na Síria.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Um grande obstáculo para resgatar pessoas com vida no quarto dia após os tremores de terra é temperatura. Em algumas áreas mais afetadas, as temperaturas chegam a bater no 5° negativos durante a noite. Na Síria, ainda há dificuldade logísticas causadas pela guerra civil, que já dura 11 anos. Segundo a Reuters, o primeiro comboio de ajuda humanitária ao país só deve chegar hoje.

Desastre secundário

Robert Holden, o gerente de resposta a incidentes da OMS, disse nesta quinta-feira à BBC que milhares de pessoas nos dois países estão agora “ao relento, em condições cada vez piores e horríveis”, com acesso interrompido a água, combustível, eletricidade e comunicações.

“Corremos o perigo real de ver um desastre secundário que pode causar danos a mais pessoas do que o desastre inicial se não nos movermos com o mesmo ritmo e intensidade que estamos fazendo na busca e resgate”, disse.

Continua depois da publicidade

(Com agências)