Gigante asiático

China corta compulsório para sustentar recuperação econômica

Expansão está perdendo força e empresas menores estão enfrentando um recente aumento nos preços de matérias-primas

Por  Reuters -

PEQUIM (Reuters) – A China vai reduzir a quantidade de dinheiro que os bancos precisam manter como reserva, liberando cerca de 1 trilhão de iuanes (154,19 bilhões de dólares) em liquidez de longo prazo para sustentar a recuperação econômica pós-Covid que começa a perder força.

O Banco do Povo da China informou em seu site que vai cortar a taxa de compulsório para todos os bancos em 50 pontos básicos, a partir de 15 de julho.

A segunda maior economia do mundo se recuperou para os níveis de crescimento pré-pandemia com um setor exportador resiliente. Mas a expansão está perdendo força e empresas menores estão enfrentando um recente aumento nos preços de matérias-primas.

Muitos analistas acreditam que a demanda reprimida pela Covid chegou ao pico e que as taxas de crescimento estão começando a se moderar no segundo semestre do ano.

O banco central disse que a média ponderada do compulsório para as instituições financeiras cairá a 8,9% depois do corte.

Os bancos que estão sujeitos a um compulsório de 5% ficarão isentos do novo corte.

A última vez que o banco central chinês cortou o compulsório foi em abril do ano passado, quando a economia chinesa ainda estava bastante afetada pela crise do coronavírus. Conforme a economia apresentava forte recuperação, o banco mudou para um viés de aperto moderado.

O gabinete da China havia dito na quarta-feira que as autoridades usariam cortes oportunos do compulsório para ajudar pequenas empresas a lidar com o impacto negativo do aumento dos preços das commodities, em anúncio que surpreendeu os mercados.

Quer trabalhar como assessor de investimentos? Entre no setor que paga as melhores remunerações de 2021. Inscreva-se no curso gratuito “Carreira no Mercado Financeiro”.

Compartilhe