Conteúdo Patrocinado
Oferecido por Braskem

Braskem anuncia investimentos em reciclagem avançada

Iniciativa faz parte do compromisso para eliminação de resíduos plásticos; meta é produzir 1 milhão de toneladas de produtos com conteúdo reciclado até 2030

Por  MoneyLab -

Dar a destinação adequada aos resíduos plásticos, fazendo com que eles retornem ao ciclo de produção, é uma das maneiras mais assertivas de evitar que plásticos acabem em locais inadequados, como mares e rios. Desde sua fundação, a atuação da Braskem é pautada pelo desenvolvimento sustentável. Ao longo dos anos, a companhia evoluiu nos seus compromissos com a sustentabilidade e, em 2018, anunciou um posicionamento em prol da economia circular. Após três anos, em 2021, a empresa lançou um novo ciclo de compromissos com metas ligadas ao aumento de seu portfólio de soluções circulares, eliminação de resíduos plásticos e a neutralidade de carbono até 2050.

As iniciativas têm como principal objetivo contribuir para um mundo mais sustentável. Para reforçar esses compromissos e contribuir com esse processo, a Braskem anunciou, em fevereiro, um aporte de R$ 130 milhões em três projetos voltados à economia circular. Parte desse recurso está sendo direcionado para a reciclagem avançada. Um método inovador que tem o calor como principal elemento para a transformação de resíduos plásticos pós-consumo, mais difíceis de reciclar mecanicamente, em matéria-prima circular certificada. Essa tecnologia de reciclagem é o avanço mais recente da Braskem e trata-se de uma inovação com potencial enorme de transformação da indústria.

Assim como em outros processos de reciclagem, tudo começa com o descarte adequado, momento em que o consumidor tem importância fundamental. A partir daí acontecem as etapas de coleta, separação e lavagem preparando os resíduos para os próximos passos. Dando sequência ao processo de reciclagem avançada, com o uso do calor, esses materiais são despolimerizados, ou seja, as moléculas são quebradas em outras mais simples com a mesma fórmula molecular e darão origem a matéria-prima circular certificada, que será transformada em novos plásticos ou químicos.

Ao ampliar as possibilidades de transformação dos plásticos pós-consumo, a reciclagem avançada complementa o método mais conhecido de reciclagem: a reciclagem mecânica, que consiste na trituração das embalagens em fragmentos menores e o encaminhamento desse material para o processo de extrusão, ou seja, suas propriedades físico-químicas não são alteradas. Juntos, os dois métodos aumentam de forma considerável as oportunidades de transformação do plástico pós-consumo ao reinserir um volume maior de resíduos plásticos no ciclo produtivo, transformando-os em novos produtos.

“Acreditamos muito nesses dois caminhos da reciclagem. Por isso, buscamos fomentar cada vez mais iniciativas com foco na circularidade do plástico, além de ações de educação e engajamento da sociedade”, diz Fabiana Quiroga, diretora de Economia Circular da Braskem na América do Sul.

Novas plantas de reciclagem

O comprometimento da Braskem com a sustentabilidade pode ser visualizado também no desdobramento de metas de médio prazo, como por exemplo: atingir a produção de 300 mil toneladas de produtos com conteúdo reciclado até 2025. O compromisso reflete contribuições efetivas para promover a cadeia de valor da reciclagem no país.

Uma dessas iniciativas é a instalação da primeira planta de reciclagem mecânica da companhia no Brasil, localizada em Indaiatuba, SP. Com investimento de R$ 67 milhões, a unidade começou a operar em março e transformará, anualmente, 250 milhões de embalagens pós-consumo em 14 mil toneladas de resina reciclada com alta qualidade. A planta conta com a parceria da Valoren, empresa desenvolvedora de tecnologia e gestora de resíduos para transformação em produtos reciclados. “Acreditamos em parcerias valiosas para transformar propósito em ação”, complementa Fabiana.

A Braskem também assinou um novo contrato com a Valoren para promover a construção e instalação de uma unidade de reciclagem avançada também em Indaiatuba. A nova unidade, que envolve um desembolso conjunto de R$ 44 milhões, deverá começar a operar no primeiro trimestre de 2023 e terá capacidade de produzir até seis mil toneladas de produtos circulares por ano.

Ao promover diferentes métodos de reciclagem, a companhia avança em prol da sustentabilidade para um mundo mais circular.

Essas iniciativas são uma forma de tangibilizar a atuação da Braskem em todo o ciclo da economia circular, reforçando os compromissos da empresa com o desenvolvimento sustentável e incentivando outras pessoas e parceiros a também participar de iniciativas que geram impactos positivos ambientais, sociais e econômicos e, ao mesmo tempo, atendam às necessidades de mercados e consumidores.

É a Braskem em prol de um futuro mais sustentável e circular.

Compartilhe