Bradesco Asset revê de 9,5% para 8,5% previsão para Selic no fim do ano

A avaliação é de que o movimento do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve remover uma potencial restrição à trajetória da Selic

Estadão Conteúdo

(Getty Images)

Publicidade

A Bradesco Asset Management passou a projetar um ciclo contínuo na redução da taxa de juros no Brasil, ao invés de um ciclo em duas etapas, levando em conta a aproximação do primeiro corte de juros nos Estados Unidos, previsto agora pela casa para junho e não mais novembro.

A avaliação é de que o movimento do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve remover uma potencial restrição à trajetória da Selic. Assim, a gestora do Bradesco ainda prevê redução da Selic até a taxa terminal de 8,50%, porém com esta taxa já sendo alcançada em novembro, quando, espera, o ciclo será fechado pelo Banco Central (BC).

Antes, a aposta era de que a flexibilização monetária se daria em duas etapas, com a Selic caindo para 9,5% ao fim deste ano, e recuando, numa segunda etapa, para 8,5% apenas em 2025, na esteira do relaxamento dos juros nos Estados Unidos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A observação faz parte de um relatório de revisão de cenário no qual a Bradesco Asset também revê o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2024: de 1,5% para 1,7%, saindo de 2,8% do ano passado.

Conforme a gestora, o processo de normalização da inflação, assim como no exterior, foi consolidado no Brasil, de modo que o IPCA deve fechar 2024 em 4%, após marcar 4,6% em 2023. A expectativa é de que o aumento da inflação de alimentos será amortecido pela continuidade da baixa inflação dos bens e desinflação dos preços serviços.

O cenário leva em conta ainda uma mudança da meta de déficit zero para um objetivo de déficit primário de 0,75% do PIB, com manutenção da margem de tolerância de 0,25 ponto porcentual. “A possibilidade de revisão da meta de resultado primário para 2024 e anos seguintes seguirá presente. O resultado primário seguirá no terreno deficitário no horizonte previsível”, prevê a Bradesco Asset. A projeção é de déficit primário equivalente a 0,6% do PIB em 2024.

Continua depois da publicidade

Apesar disso, a gestora não vê grande variação em termos reais dos gastos do governo, o que, junto com a acomodação da produção do setor agropecuário, deve tirar força da atividade.

Em paralelo, observa, o Fed deve começar a reduzir antes do que era previsto o aperto da política monetária nos Estados Unidos, levando a taxa de juros do país para 4,25% até o fim do ano, abaixo dos 5% previstos anteriormente. A começar por uma redução de 25 pontos-base em junho, a expectativa é de um corte total de 125 pontos-base dos Fed Funds, dada a preocupação do Fed com a desaceleração da atividade e o desaquecimento do mercado de trabalho.