RADAR INFOMONEY CPI da Covid enfraquece governo e trava reformas, dizem analistas; programa desta segunda também fala sobre Petrobras e Oi

CPI da Covid enfraquece governo e trava reformas, dizem analistas; programa desta segunda também fala sobre Petrobras e Oi

Economia

Bolsonaro, sobre queda de 4% PIB: É um dos países que menos caíram no mundo

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial

arrow_forwardMais sobre
(Isac Nóbrega/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comentou, nesta quarta-feira, 3, a queda no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, que cedeu 4,1% em 2020 ante 2019, como informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – sendo o terceiro pior resultado da história do País.

Na avaliação do presidente, no entanto, a queda foi menor do que o esperado. “Se esperava que a gente ia cair 10%, né? Parece que caímos 4%. É um dos países que menos caiu no mundo todo, então tem esse lado positivo” afirmou.

Para Bolsonaro a queda do PIB só não foi maior devido a movimentação da economia gerada pelo auxílio emergencial. “Esse dinheiro, quando vai para os municípios, roda a economia local, que interfere na arrecadação de impostos municipais, estaduais e federais também”, declarou à imprensa, após reunião na embaixada do Kuwait com representantes de outros países do Golfo.

O presidente também citou a terceira etapa do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), apresentado pelo senador Jorginho Mello (PL-SC). “Encampamos essa ideia e evitamos mais de 10 milhões de pessoas que perderiam seu emprego”, afirmou o presidente.

Para Bolsonaro, o governo federal “fez tudo possível para evitar que tivéssemos um caos no Brasil”. Ainda segundo o mandatário, as medidas tomadas pelo governo federal evitaram “problemas sociais gravíssimos”.

Como um trader ganha dinheiro, controla perdas, equilibra o emocional e multiplica capital? Assista na Imersão Trader Estratégico, treinamento gratuito do analista Charlles Nader.