Biden elogia missão de retirada do Afeganistão e agradece militares

Presidente americano fez pronunciamento na Casa Branca

ANSA Brasil

(Crédito: Win McNamee/Getty Images))

Publicidade

(ANSA) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, agradeceu todos os envolvidos na operação para encerrar a guerra no Afeganistão e afirmou que tem influência para garantir que o Talibã cumpra os compromissos assumidos em relação aos direitos do povo afegão.

Durante pronunciamento na Casa Branca, o democrata assumiu a responsabilidade pela decisão de evacuar os militares americanos até o dia 31 de agosto e classificou a operação como um “sucesso extraordinário”, definindo-a como “uma missão de compaixão”.

“Concluímos um dos maiores transportes aéreos da história. Nenhuma nação jamais fez algo parecido em toda a história, apenas os Estados Unidos tiveram a capacidade, a vontade e a habilidade de fazer”, declarou.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Biden enfatizou que o prazo final de 31 de agosto para deixar o país asiático “não foi uma data arbitrária, mas uma data para salvar vidas americanas”. Segundo ele, no entanto, ainda há 100 ou 200 americanos no território afegão e não há prazo para retirá-los de lá. “Vamos deixá-los sair se quiserem partir”.

Os EUA encerraram ontem a guerra mais longa de sua história, após quase 20 anos de conflito no Afeganistão. Os últimos soldados americanos saíram do país por volta da meia-noite (horário local).

“Assumo a responsabilidade por todas as decisões tomadas. Não queria continuar esta guerra para sempre”, ressaltou.

Continua depois da publicidade

O presidente americano agradeceu ainda todos os militares pelo trabalho na evacuação de mais de 120 mil pessoas de Cabul e explicou que “esse número é mais do que o dobro do que a maioria dos especialistas pensava ser possível”.

Ele disse que a operação não teria sido possível sem a “habilidade, bravura e coragem altruísta” das tropas, diplomatas e pessoal de inteligência dos EUA.

Eles fizeram isso enfrentando uma multidão de enormes multidões que buscavam deixar o país e o fizeram sabendo que terroristas EI-K, inimigos declarados do Talibã, espreitavam no meio dessas multidões”, continuou.

Biden reconheceu ainda que os militares afegãos entraram em colapso mais rápido do que o esperado, antes do prazo final de 31 de agosto. “Eu ainda instruí nossa equipe de segurança nacional a se preparar para qualquer eventualidade, mesmo aquela”, disse ele, acrescentando que o governo americano estava “pronto quando as forças de segurança afegãs não resistiram tanto quanto se esperava”.

De acordo com o líder dos EUA, a missão de evacuação foi planejada sob “forte estresse e ataque” e mesmo que se tivesse começado em junho ou julho, ainda assim “teria havido uma corrida para o aeroporto”.

“Ainda teria sido uma missão muito difícil e perigosa”, disse, acrescentando que nenhuma evacuação do fim da guerra poderia ter sido feita sem as mesmas “complexidades e desafios”.

Ao longo dos 20 anos de ocupação, mais de 2,4 mil militares dos EUA foram mortos na guerra do Afeganistão, com quase 23 mil feridos.

“Nós entregamos justiça a Bin Laden há mais de uma década. A Al-Qaeda foi dizimada”, disse Biden, explicando que “este é um novo mundo” e há ameaças do grupo Al-Shabab, afiliado da Al-Qaeda e do Estado Islâmico.

“Não acredito que a segurança e a proteção dos Estados Unidos sejam aprimoradas com o envio de milhares de soldados e o gasto de bilhões no Afeganistão”, enfatizou.

Para o democrata, a estratégia dos EUA precisa mudar e não precisa ter tropas no terreno para combater o terror. “Atacamos o EI-K remotamente dias depois que eles assassinaram 13 de nossos militares e dezenas de afegãos inocentes”.

“EI-K, ainda não terminamos com você”, ameaçou Biden, dizendo que os Estados Unidos nunca vão descansar para aqueles que desejam mal à América. “Não vamos perdoar, esqueça, vamos caçar até os confins da terra e vocês vão pagar o preço final”.

Por fim, Biden garantiu que os EUA continuarão a apoiar os afegãos, por meio da diplomacia e da ajuda, e falará pelos direitos do povo de lá, incluindo mulheres e meninas.

“Tenho sido claro que os direitos humanos estarão no centro da política externa”, disse ele. “A guerra no Afeganistão acabou”.

ONU

Mais cedo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou sobre uma iminente “catástrofe humanitária” no Afeganistão.

Em um comunicado oficial, ele expressou “grave preocupação com o aprofundamento da crise humanitária e econômica no país e com a ameaça de colapso total dos serviços básicos”.

“Hoje, quase metade da população do Afeganistão – 18 milhões de pessoas – precisa de ajuda humanitária para sobreviver. Um em cada três afegãos não sabe de onde virá sua próxima refeição. Espera-se que mais da metade de todas as crianças menores de cinco anos se tornem gravemente desnutridas no próximo ano. As pessoas estão perdendo o acesso a bens e serviços básicos todos os dias “, alertou.

Guterres pediu ainda aos Estados-membros da ONU que forneçam fundos e ajudem a garantir que os trabalhadores humanitários tenham financiamento, acesso e meios legais para permanecer no país.

Para entender como operar na bolsa através da análise técnica, inscreva-se no curso gratuito A Hora da Ação, com André Moraes.