Ex-diretor do BC

“BC terá de normalizar a taxa de juros completamente”, diz Luiz Fernando Figueiredo

Segundo ex-diretor do Banco Central, a decisão indica uma posição de “firmeza” da autarquia

Por  Estadão Conteúdo -

Para Luiz Fernando Figueiredo, sócio da gestora Mauá Capital e ex-diretor de política monetária do Banco Central, o aumento da taxa básica de juros de 0,75 ponto porcentual está em linha com o processo de subida de juros iniciado pelo Banco Central no começo do ano. Segundo ele, a decisão indica uma posição de “firmeza” da autarquia, que busca elevar a meta da Selic para conter o aumento da inflação dos últimos meses.

Em entrevista ao Estadão, Figueiredo afirma que a disparada nos preços no Brasil está relacionada a um choque de custos global, puxado principalmente pela elevação das commodities. A situação tende a ser passageira, mas deve levar tempo para se normalizar, à medida que a economia dos países se recupera da pandemia.

Nesse ambiente, segundo ele, os Bancos Centrais e os governos precisam ficar atentos para reduzir os estímulos monetários e fiscais, para evitar uma inflação ainda mais elevada. “As expectativas sobre a inflação ainda estão dentro do esperado, mas é preciso tomar cuidado para não descolarem da meta do ano que vem”, afirma ele na entrevista a seguir.

Qual o desafio do Banco Central em responder à pressão inflacionária?

Na minha visão, o aumento da inflação é um fenômeno mundial, que ainda não se encerrou. À medida que (a economia) vai normalizando, a demanda de alguns produtos e serviços cresce, e a procura por outros itens cai. Mas o mundo ainda vive um nível de desemprego elevado. Uma vez que a economia se normalize completamente, é difícil acreditar que o processo inflacionário se mantenha muito forte.

Por quê?

Porque o desemprego é tão alto, que impede uma alta de preços elevada. A dúvida que existe hoje é se o desemprego vai sumir rapidamente. Se isso acontecer, realmente pode ter uma situação de superaquecimento e um processo inflacionário mais vigoroso. O cenário de hoje não é este. É o primeiro cenário: o desemprego ainda alto e os choques de preços muito intensos.

Como o Banco Central pode responder a esses choques?

O Banco Central consegue ajustar a demanda, mas, sobre os choques de aumento de custo, não há muito o que fazer. Não existe instrumento para agir contra isso. Nenhum Banco Central no mundo tem. Só que esses choques tendem a ser temporários.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como fica a situação do Brasil?

No caso brasileiro, diria que o desafio é maior porque os choques de preços foram mais acentuados do que a média no mundo, até por causa da nossa fragilidade fiscal. Mas, por outro lado, o nosso desemprego não tende a se reduzir muito fortemente.

Por que não?

O Brasil já tinha um desemprego alto antes da pandemia. E acredito que muitas empresas aprenderam a trabalhar com menos pessoas. O custo de empregar e desempregar é muito alto. O mercado de trabalho é rígido. A tendência é (a empresa) trabalhar o máximo que puder sem empregar mais, o que acaba postergando a recuperação do emprego.

Nesse sentido, o risco de inflação mais acelerada é menor?

O risco de superaquecimento é menor. O risco é muito mais de haver tantos choques de custos que isso acabe gerando um processo de bola de neve. As expectativas sobre a inflação ainda estão dentro do esperado, mas é preciso tomar cuidado para não se descolarem da meta do ano que vem. Um desafio importante para o Banco Central é controlar as expectativas. A gente precisa ter choques menos frequentes e intensos para que isso aconteça. A verdade é que, semana a semana, a gente vê as expectativas se distanciando da meta do Banco Central. O desafio é controlar minimamente isso.

Como controlar?

Dar choques (de aumento de juros acima do esperado) um atrás do outro é contraproducente. O Banco Central já surpreendeu o mercado várias vezes ao longo desse processo. Ele tem que mostrar que está firme e disposto a fazer o que for necessário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como avalia a resposta da política monetária até aqui?

Tivemos tantos choques, e agora temos essa crise hídrica que trouxe mais inflação. E parece que ela levará mais tempo para normalizar. É muito difícil um Banco Central controlar as expectativas quando há um choque atrás do outro. O lado positivo é que o risco fiscal, pelo menos no curto prazo, baixou. O teto de gastos foi respeitado. Temos um orçamento que está mais para o responsável do que para o irresponsável. A arrecadação aumentou, e o governo segurou gastos. Esse era um impacto relevante que atrapalhava o Banco Central.

O aumento da taxa Selic está em nível adequado?

Para se mostrar firme, o Banco Central não deve aumentar o passo. Porque (a elevação de 0,75 ponto porcentual) já é um passo largo. Não é extraordinário, mas está acima do normal, que seria de 0,50 ponto. Vejo que o Banco Central pensava em normalizar a política monetária parcialmente. A meu ver ele vai ter que abandonar isso. Dado a esse processo inflacionário, vai ter que normalizar completamente. O que quer dizer não dar nenhuma paradinha (no aumento de juros) e ir para uma Selic em 6,50% ou 7% com certa velocidade.

O Banco Central subestimou a inflação quando manteve o juro em 2%?

Agora é fácil dizer. Mas, desde 2002, a gente não tem essa quantidade de choques (de custos). Era difícil supor que haveria essa pressão quando a taxa Selic foi para 2%. A expectativa de inflação no ano passado era bem abaixo da meta.

O que pode afetar a política monetária nos próximos meses?

O primeiro ponto é a dinâmica da pandemia: o quanto a economia no mundo está indo ou não para a normalidade. À medida que isso ocorre, é cada vez menos correto manter o volume de estímulos fiscais e monetários. Tem que haver uma mudança nessas políticas. Quanto mais se demorar para fazer essa mudança, maior risco de inflação mais elevada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Analista oferece curso gratuito de como gerar renda extra na Bolsa. Inscreva-se no Desafio dos 5%.

Compartilhe