BC e Fed: o que esperar das decisões de política monetária na volta da “super quarta” para o mercado

Expectativa é por manutenção de juros pelo Fomc e pelo Copom, mas sinalizações dos comunicados serão observadas de perto pelos investidores

Lara Rizério

Publicidade

SÃO PAULO – Após um período de reuniões “desencontradas”, os investidores voltarão a contar com uma “super quarta” que movimentará os mercados, com decisões duplas de política monetária tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos na próxima quarta-feira (16).

E, apesar de não serem esperadas mudanças na taxa básica de juros, as sinalizações que serão dadas após as reuniões serão observadas de perto.

A decisão de política monetária do Federal Open Market Committee) será a primeira a ser conhecida, às 15h (horário de Brasília), e ganha destaque por ser a primeira reunião após o anúncio oficial da mudança do arcabouço de política monetária.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No final de agosto, Jerome Powell, presidente da autoridade monetária americana, fez discurso – seguido de um comunicado do Fed – sinalizando disposição a permitir que a inflação aumente um pouco mais que o normal como forma de apoiar o mercado de trabalho e a economia em geral.

Powell chamou a novidade de “atualização robusta” da política do Fed, em que o BC concordou com uma política de “metas de inflação média”.

Isso significa que a autoridade americana permitirá que a inflação corra “moderadamente” acima de sua meta de 2% “por algum tempo” após períodos em que tenha caído abaixo desse objetivo. Na prática, este anúncio indica também que o Fed não deve começar a subir os juros quando a taxa de desemprego cair, contanto que a inflação também não aumente. A taxa atual de juros está entre 0% e 0,25%.

Continua depois da publicidade

Contudo, conforme destaca a Bloomberg, a nova abordagem do Federal Reserve para definir as taxas de juros provavelmente será difícil de adivinhar a partir das projeções econômicas que serão publicadas na quarta-feira.

Isso porque essas previsões, divulgadas juntamente com a decisão de política monetária, apenas condensam as opiniões de autoridades do Fed sobre os “próximos poucos” anos. A nova estrutura só deverá ser colocada à prova mais tarde. Assim, não há expectativa de que o Fed ofereça uma orientação mais clara sobre as condições desejadas antes de aumentar os juros já no comunicado desta quarta-feira.

“A mudança na estrutura não entrará em jogo até que realmente atinja a capacidade total e obtenha alguma pressão de inflação”, disse Aneta Markowska, economista financeira-chefe para EUA na Jefferies, em Nova York.

Quando o último conjunto de projeções foi divulgado em junho, mostrou que todos, exceto dois dos 17 participantes do comitê, esperavam manter os juros próximos a zero até o fim de 2022. As projeções a serem divulgadas na quarta-feira estenderão o horizonte de previsão até o final de 2023.

Ainda no radar, o Morgan Stanley aponta que, embora o Fed não tenha sinalizado quaisquer mudanças nas compras de ativos, espera-se que os mercados observem de perto eventuais alterações nos programas. Após a divulgação do comunicado da reunião de política monetária, atenção ainda para Jerome Powell, que fala na sequência.

Copom: manutenção de juros após sequência de cortes

Posteriormente, por volta das 18h, atenção para o encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que deve encerrar uma sequência de corte de juros iniciada em julho de 2019, quando a Selic, taxa básica de juros da economia, estava a 6,5%.

O colegiado deverá manter a taxa Selic no seu nível mínimo histórico de 2% ao ano, de acordo com a projeção de 100% dos 31 economistas consultados pela Bloomberg.

“Expectativas bem ancoradas e o elevado hiato do produto corroboram para a manutenção da taxa básica em patamar extraordinariamente estimulativo. Ademais, é imposta cautela à política monetária em virtude da recuperação em curso da economia, das pressões inflacionárias no atacado e da percepção crescente de riscos fiscais”, destaca Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos.

Cabe destacar que, mais cedo na mesma quarta-feira, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgará também na quarta-feira o IGP-10 de setembro, que deve continuar mostrando forte pressão altista dos preços no atacado.

“Os preços dos grãos e do leite serão os destaques de alta na categoria dos agropecuários, enquanto o minério de ferro, os alimentos industrializados e os produtos químicos pesarão sobre os preços industriais”, avalia o economista.

O debate sobre os preços de alimentos deve seguir no radar, principalmente com a alta de produtos básicos como o arroz, ainda que as projeções para a inflação sigam bem ancoradas (veja mais clicando aqui).

Também prevendo a Selic estável a 2%, o Morgan Stanley aponta que, na última reunião, os diretores do BC definiram uma barreira relativamente alta para novos cortes, especialmente devido à incerteza em torno das perspectivas fiscais. No último comunicado e na última ata, eles reconheceram que o espaço para novas flexibilizações “deve ser pequeno, se houver” e que depende da trajetória fiscal.

“Desde a última reunião, as preocupações com as perspectivas fiscais aumentaram à medida que vimos a extensão do auxílio emergencial até o final do ano e também com o envio ao Congresso do Orçamento de 2021 basicamente sem espaço para o teto de gastos, não dando margem para surpresas positivas com despesas não-discricionárias. Essa incerteza fiscal deve tornar a política monetária mais cautelosa”, avaliam os economistas do banco.

O BNP Paribas também ressalta a importância de olhar para o comunicado pós-reunião, que será chave para guiar as expectativas sobre futuras decisões; o banco também vê espaço limitado para cortes futuros.  Assim, mesmo não devendo fechar totalmente as portas, a chance de um novo corte é vista como bem pequena pelos investidores.

(com informações da Bloomberg)

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.