Barômetros Globais caem em junho, puxados pela piora do ambiente na Ásia e Europa, diz FGV/Ibre

Indicador coincidente, sobre o estado atual, caiu para 83,9 pontos; dado antecedente, que mostra de 3 a 6 meses à frente, foi a 91,7 pontos

Estadão Conteúdo

Publicidade

Os Barômetros Globais Coincidente e Antecedente da Economia recuaram em junho, após três meses de “relativa estabilidade”, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado, influenciado pela piora do ambiente econômico nas regiões da Ásia, Pacífico & África e Europa, reflete “as dificuldades do processo de recuperação da atividade econômica mundial em 2023”.

O Barômetro Econômico Global Coincidente caiu 1,4 ponto em junho, para 83,9 pontos. Já o Barômetro Econômico Global Antecedente encolheu 3,3 pontos, para 91,7 pontos.

Segundo Paulo Picchetti, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (FGV/Ibre), a expectativa de retomada mais robusta no nível de atividade após o abrandamento das restrições sanitárias na China no início do ano vem sendo frustrada pela resiliência de desafios à economia mundial.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A persistência do processo inflacionário, a continuidade do conflito armado na Europa e restrições de crédito decorrentes de problemas no setor bancário norte-americano já se fazem sentir no desempenho do Barômetro Global Coincidente, assim como geram expectativas de desaceleração adicional ao longo do segundo semestre do ano, o que por sua vez explica o resultado do Barômetro Antecedente em junho”, avaliou em nota.

No Barômetro Global Coincidente, a região da Ásia, Pacífico & África contribuiu com -1,1 ponto, e a Europa, com – 0,5 ponto. Já o Hemisfério Ocidental impacta positivamente em 0,2 ponto.

“Os três indicadores parecem encontrar certa resistência de alta, refletindo o ritmo ainda moderado de recuperação da economia mundial, influenciado pelos efeitos do aperto monetário generalizado e da incerteza quanto ao ritmo de crescimento da economia chinesa”, justificou o FGV/Ibre.

Continua depois da publicidade

No Barômetro Global Antecedente, a região da Ásia, Pacífico & África contribui com -3,2 pontos, enquanto a Europa impacta em -1,3 ponto. O Hemisfério Ocidental contribui em sentido contrário, com mais 1,2 ponto.

“O nível dos indicadores, no geral, sugere expectativas mais pessimistas para a atividade na Europa e no Hemisfério Ocidental – motivadas pelo quadro de inflação e a alta taxa de juros – e moderadas para o crescimento econômico na região da Ásia, Pacífico & África”, avaliou o FGV/Ibre.

O Barômetro Coincidente reflete o estado atual da atividade econômica. O Barômetro Antecedente emite um sinal cíclico cerca de três a seis meses à frente dos desenvolvimentos econômicos reais. Os dois indicadores são produzidos FGV/Ibre em colaboração com o Instituto Econômico Suíço KOF da ETH Zurique.