Crescimento maior

Bancos elevam previsão de alta do PIB para até 2,5% em 2022

Instituições também preveem uma queda na taxa de desemprego até o fim do ano, antes de uma reversão em 2023

Por  Estadão Conteúdo -

Bradesco e BNP Paribas revisaram suas projeções para o crescimento econômico do Brasil neste ano. O Bradesco elevou de 1,8% para 2,3% a sua estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) e o BNP, de 1,5% para 2,5%. Relatórios das duas instituições apontam que a mudança reflete surpresas positivas para a atividade doméstica, mercado de trabalho e mais estímulos fiscais.

“O saque extraordinário do FGTS entre maio e junho e o mercado de trabalho aquecido devem ter impulsionado o aumento do consumo das famílias no período”, diz relatório do Bradesco. “Já as medidas aprovadas recentemente pelo Congresso Nacional, como o incremento do Auxílio Brasil e subsídios tributários, deverão sustentar uma variação ainda positiva no terceiro trimestre, adiando a desaceleração que esperávamos anteriormente”.

Diante do desempenho melhor que o esperado da economia e das surpresas recorrentes com o mercado de trabalho, o Bradesco prevê queda da taxa de desemprego para 8,0% no fim do ano.

O relatório do BNP menciona o crescimento rápido do mercado de trabalho, com a geração de mais de 1,3 milhão de postos formais no ano até junho, e a taxa de desemprego. “Dito isto, os salários reais permanecem mais baixos do que os 2020, o que sugere que não há pressão no mercado de mão de obra. Esperamos ver mais melhorias antes de uma reversão em 2023”, afirma o relatório assinado por Laiz Carvalho (economista de Brasil) e Gustavo Arruda (diretor de pesquisa para América Latina).

Cenário mundial

O BNP diz também que o cenário mundial, como a inflação elevada, a alta nos juros e o baixo crescimento, que serão as principais características da economia global por algum tempo, continuará a impactar o Brasil.

“Enquanto o crescimento global e a alta os preços das commodities beneficiaram a economia do Brasil neste ano, acreditamos que esses dois fatores fornecerão menos ajuda no futuro”, afirma o relatório. O documento afirma que os preços das commodities devem permanecer elevados em relação ao níveis pré-pandemia, mas provavelmente terão espaço limitado para subir muito mais.

Ainda não investe no exterior? Estrategista da XP dá aula gratuita sobre como virar sócio das maiores empresas do mundo, direto do seu celular – e sem falar inglês

Compartilhe