Ata do Fomc: Comitê concordou em citar que houve abrandamento na atividade econômica

Para o Fomc, inflação nos EUA diminuiu de fato ao longo do ano passado, mas permaneceu elevada, e taxa de juros está em seu pico ou próxima dele

Roberto de Lira

Sede do Federal Reserve (Fed), o banco central dos EUA

Publicidade

Os membros do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) concordaram que deveriam reconhecer o abrandamento da atividade econômica, após o crescimento em ritmo forte no terceiro trimestre, na sua declaração pós-reunião de política monetária. A afirmação consta na ata do encontro de 12 e 13 de dezembro, divulgada nesta quarta-feira (3).

Na ocasião, o Fomc – que reúne dirigentes do Fed (Federal Reserve, banco central americano) manteve os juros entre 5,25% e 5,50% pela terceira reunião seguida.

Eles consideraram ainda que a manutenção da faixa-alvo para a taxa dos Fed Funds naquela reunião promoveria mais progresso em direção às metas do Comitê e permitiria aos participantes mais tempo para coletar informações adicionais.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os diretores também concordaram incluir na comunicação o comentário de que a inflação nos Estados Unidos diminuiu de fato ao longo do ano passado, mas que permanecia elevada.

Os membros concordaram ainda em modificar a frase na sua declaração pós-reunião, discutindo as considerações relevantes para futuras ações políticas, para indicar que o Comité determinaria “a extensão de qualquer reforço adicional na política que possa ser apropriado para devolver a inflação a 2% ao longo do tempo”.

Segundo a ata, os membros do Fomc consideraram o acréscimo da palavra “qualquer” a esta frase como uma forma de transmitir adequadamente a sua opinião de que o intervalo-alvo para a taxa dos Fed funds estava provavelmente no seu pico ou perto dele para este ciclo de aperto na política monetária, deixando aberta a possibilidade de novos aumentos – se estes fossem justificados pela totalidade dos dados recebidos, pela evolução das perspectivas e pelo equilíbrio de riscos.

Continua depois da publicidade

Segundo a ata, os membros concordaram na reunião que o sistema bancário dos EUA estava sólido e resiliente e que as condições financeiras e de crédito mais restritivas para as famílias e as empresas provavelmente pesariam sobre a atividade econômica, as contratações e a inflação, embora a extensão destes efeitos fosse incerta. “Os membros concordaram que permaneceram extremamente atentos aos riscos de inflação”, diz o documento.

Os integrantes do Comitê também concordaram que continuariam a monitorar as implicações das informações recebidas para as perspectivas econômicas e estariam preparados para ajustar a orientação da política monetária conforme apropriado, em caso de riscos que possam impedir a consecução dos objetivos do colegiado.

“Os membros também concordaram que as suas avaliações levariam em conta uma ampla gama de informações, incluindo leituras sobre as condições do mercado de trabalho, pressões inflacionárias e expectativas de inflação, e desenvolvimentos financeiros e internacionais.”

Ao discutirem as perspectivas para a política, os participantes consideraram que a taxa diretora provavelmente já atingiu ou está próxima do seu pico neste ciclo de aperto, embora tenham notado que a trajetória política real dependa da forma como a economia evoluir.

“Vários participantes observaram que as ações políticas anteriores do Comitê estavam tendo o efeito pretendido de ajudar a abrandar o crescimento da demanda agregada e a acalmar as condições do mercado de trabalho”, diz a Ata.

Esse participantes consideraram que, em combinação com melhorias na situação da oferta, estes desenvolvimentos estavam ajudando a trazer a inflação de volta para 2% ao longo do tempo.

“A maioria dos participantes notaram que, tal como indicado nas suas apresentações ao SEP (o sumário de projeções), esperavam que a orientação política restritiva do Comitê continuasse a suavizar os gastos das famílias e das empresas, ajudando a promover novas reduções da inflação ao longo dos próximos anos.”

Nessa projeções apresentadas, quase todos os participantes indicaram que, refletindo as melhorias nas suas perspectivas de inflação, suas projeções de base implicavam que um intervalo-alvo mais baixo para a taxa dos Fed Funds seria apropriado até ao final de 2024.

Incerteza elevada

Os participantes também observaram, no entanto, que as perspectivas estavam associadas a “um grau de incerteza invulgarmente elevado” e que era possível que a economia pudesse evoluir de uma forma que tornasse apropriados novos aumentos nas taxas de juros.

Vários desse integrantes observaram também que as circunstâncias podem justificar a manutenção do intervalo-alvo no seu valor atual por mais tempo do que o previsto atualmente.

“Os participantes sublinharam, em geral, a importância de manter uma abordagem cuidadosa e dependente de dados para a tomada de decisões de política monetária e reafirmaram que seria apropriado que a política permanecesse numa posição restritiva durante algum tempo até que a inflação estivesse claramente caindo de forma sustentável em direção ao objetivo do Comitê.”

PIB potencial

No trecho da Ata no qual são comentadas as previsões econômicas preparadas pelo corpo técnico do Fed para a reunião de dezembro, o documento destaca que elas foram “globalmente semelhantes” à projeção da reunião anterior.

“O corpo técnico continuou a esperar que o crescimento do PIB desacelerasse acentuadamente no quarto trimestre, face à taxa descomunal do terceiro trimestre, mas que o crescimento econômico para 2023 como um todo ainda seria sólido”, diz a Ata.

Segundo o Fomc, esperava-se que os efeitos desfasados ​​das medidas anteriores de política monetária se revelassem mais plenamente na contenção da atividade econômica nos próximos anos.

“Previa-se que o PIB real aumentasse mais lentamente do que a estimativa dos especialistas ao longo dos próximos dois anos, antes de subir em linha com o potencial em 2026. Esperava-se que a taxa de desemprego permanecesse praticamente estável até 2026, à medida que os efeitos do crescimento do produto abaixo do potencial fossem compensados pelos efeitos de novas melhorias no funcionamento do mercado de trabalho”, diz o texto.

Os especialistas reviram para baixa a sua previsão de inflação, refletindo dados recebidos abaixo do esperado – incluindo o CPI de Novembro e o índice de preços no produtor – e a sua opinião de que a inflação seria menos persistente do que na projeção anterior.

Tópicos relacionados