Alemanha chega a acordo sobre orçamento para impulsionar crescimento

O acordo prevê empréstimos líquidos de 44 bilhões de euros, um recorde de 57 bilhões de euros em investimentos e um orçamento total de 481 bilhões de euros

Reuters

O ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck - 05/07/2024 (Foto: Axel Schmidt/Reuters)
O ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck - 05/07/2024 (Foto: Axel Schmidt/Reuters)

Publicidade

Berlim (Reuters) – O governo de coalizão da Alemanha fechou um acordo orçamentário para 2025 nesta sexta-feira (5) que respeitará as rígidas regras de endividamento do país e, ao mesmo tempo, oferecerá um pacote para acelerar o crescimento econômico e financiar uma grande reforma militar para cumprir as metas da Otan.

O acordo foi alcançado após meses de negociações na frágil coalizão tripartite do chanceler Olaf Scholz, cuja popularidade caiu durante uma crise de custo de vida.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita 

Continua depois da publicidade

O acordo oferece algum alívio para Scholz, que o apresentou como uma forma de ajudar os alemães a atravessar “tempos turbulentos e difíceis” e uma resposta explícita às forças de extrema direita que estão surgindo na Alemanha, na vizinha França e em outros países europeus.

A Alemanha precisa de crescimento econômico e finanças sólidas em meio a “mudanças econômicas e sociais em todo o mundo que estão nos desafiando”, disse Scholz em uma coletiva de imprensa.

“Essa incerteza muitas vezes se reflete em uma forte força populista e extremista de direita em muitos países europeus e, sim, até mesmo aqui na Alemanha.”

Continua depois da publicidade

O Partido Social-Democratas de Scholz (SPD), os Verdes do ministro da Economia, Robert Habeck, e os Democratas Livres (FDP) do ministro das Finanças, Christian Lindner, têm lutado para resolver as diferenças em relação aos futuros cortes e planos de gastos.

Lindner enfatizou a importância de retornar ao limite constitucional de gastos estabelecido pelo país. O SPD e os Verdes, por outro lado, pediram uma margem de manobra para permitir fundos para investimento.

O acordo resultante manteve as regras de endividamento da Alemanha, mas prometeu manter os gastos alemães com defesa acima da meta da Otan de 2% do PIB para financiar uma reforma militar e suporte para Kiev após a invasão russa da Ucrânia em 2022.

Continua depois da publicidade

O acordo prevê empréstimos líquidos de 44 bilhões de euros, um recorde de 57 bilhões de euros em investimentos e um orçamento total de 481 bilhões de euros.

Ele foi acompanhado por um pacote de medidas que, segundo o governo, acrescentará mais de meio ponto percentual ao crescimento, ou 26 bilhões de euros adicionais na produção econômica.

Esse pacote inclui medidas para incentivar as pessoas a trabalharem além da idade de aposentadoria – uma tentativa de lidar com a escassez de mão de obra qualificada na Alemanha – e para facilitar a entrada de imigrantes no mercado de trabalho.