O potencial dos pets

Petlove: como uma clínica veterinária virou um grupo que fatura R$ 800 milhões

A Petlove tem não apenas uma loja virtual, mas também clube de assinatura, app de passeio e hospedagem para pets, educação veterinária e seguros

Por  Mariana Fonseca -

 

Marcio Waldman estava feliz com sua clínica veterinária – mas percebeu que poderia dar um salto com a internet, na virada para os anos 2000. Essa visão se provou acertada: ele se tornou o fundador da Petlove, um e-commerce de produtos para animais de estimação. Hoje, a Petlove é um grupo que reúne tanto a loja virtual quanto serviços como o clube de assinatura, o aplicativo de passeio e hospedagem DogHero, a plataforma de educação Vet Smart e a empresa de seguros Porto.Pet. Ao todo, a companhia faturou R$ 800 milhões em 2021.

Em entrevista ao podcast de empreendedorismo, gestão e inovação Do Zero Ao Topo, Marcio Waldman fala sobre todas as dificuldades de investir no e-commerce muito antes de ele bombar, e sobre quais estratégias fizeram e fazem a Petlove crescer na concorrida disputa do mercado pet.

É possível seguir o programa e escutar a entrevista por meio dos agregadores de áudio ApplePodcastsSpotifyDeezerSpreakerGoogle PodcastCastboxAmazon Music. Ou, ainda, assistir ao vídeo no YouTube. Confira alguns trechos da entrevista com Marcio Waldman, fundador e hoje membro do conselho de administração da Petlove:

Do Zero Ao Topo – Como surgiu a ideia para fundar um e-commerce para animais de estimação, lá em 1999?

Marcio Waldman – Eu sempre gostei de tecnologia, sabia que era algo que facilitava o dia a dia e que me levaria a outro patamar. Só não sabia como ainda. Na década de 1990, alguns clientes disseram que teriam de trocar de veterinário. Todo profissional liberal fica apavorado quando recebe essa informação. Perguntei o que tinha acontecido, e eles falaram que o Bom Retiro [bairro de São Paulo] era difícil acesso, que ficavam muito tempo no trânsito e não tinha estacionamento.

Você ouve isso uma, duas, vinte vezes… E fica apavorado. Percebe que vai perder muitos clientes, porque as ruas ficam cada vez mais lotadas. E eu não tinha capital para me mudar para um local com maior acesso ou com estacionamento. Se eu saísse da região, também iria perder tudo que tinha construído lá. Então pensei em como atender esses clientes a distância, fazê-los irem até a clínica somente para coisas especiais.

Do Zero Ao Topo – Quando você fundou o e-commerce, lá fora se falava sobre bolha da internet. Mas a internet ainda estava começando aqui no Brasil. Como era o e-commerce naquela época e como você convencia as pessoas a comprarem da sua loja virtual?

Marcio Waldman – O acesso da internet para comprar produtos era muito difícil. Eu tive de convencer o pessoal dos Correios a transportarem ração. Eles falavam que os Correios só transportavam CDs da Americanas e do Submarino. Tive que convencê-los: se porventura a embalagem da ração rasgasse durante o transporte, eu assumiria o risco. Aí eles toparam.

Naquela época, colocar cartão de crédito na internet era uma heresia. Não tinha sistema de segurança, a própria criptografia não existia também. Os boletos eram a única forma além do cartão, e demoram cinco dias para serem compensados. Imagine comprar uma ração urgente para seu cachorro, demorar cinco dias para o boleto compensar e ainda esperar a entrega, que não era rápida. Tudo isso tornava difícil a tarefa de convencer os clientes. Mas eles viam que funcionava, que era uma forma adequada de comprar produtos para pets, com comodidade e custo-benefício. Começamos a criar uma clientela fiel, que acompanha a gente até hoje.

(…) De 1999 a 2005, eu mantive a clínica e o e-commerce funcionando. Eu decidi fechar a clínica no fim desse período. A gente atingiu um volume de vendas que mostrou que aquele meu sonho iria dar certo em algum momento, que a venda online de produtos para pets no Brasil seria relevante. Ultrapassou meu faturamento na clínica, com hospital, banho e tosa, pet shop, hotel e salas terceirizadas para outros veterinários.

Do Zero Ao Topo – Ao longo da história da Petlove, você acompanhou não apenas o crescimento do e-commerce, mas também do mercado pet. Como era esse mercado quando você começou apenas com a clínica, e como ele evoluiu ao longo dos anos, inclusive com a pandemia e os consequentes novos hábitos? 

Marcio Waldman – Quando eu me formei na faculdade, a minoria dos cães e gatos era de estimação, de dormir na cama e viver dentro de casa. A maioria era de cães de segurança, de cuidar da propriedade e viver no quintal. Não tinha tanta proximidade com o ser humano. Recentemente, vimos um fenômeno mundial: os animais de estimação viraram entes da família.

O meu cachorro dorme na nossa cama, comigo e com minha esposa. Ouvimos relatos de animais de estimação que ajudaram pessoas com alguma dificuldade na vida. Com a pandemia, as pessoas ficaram mais em casa e adotaram mais pets. Isso mostra uma humanização do animal de estimação. No Brasil, temos mais cães e gatos do que crianças com zero a 14 anos de idade. O crescimento da quantidade de animais de estimação é maior do que a taxa de natalidade do brasileiro. É um fenômeno muito forte, e que deve continuar nos próximos anos.

Do Zero Ao Topo

Toda semana uma nova história de sucesso no mundo dos negócios:

Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Sobre o Do Zero ao Topo

O podcast Do Zero ao Topo traz, a cada semana, um empresário de destaque no mercado brasileiro para contar a sua história, compartilhando os maiores desafios enfrentados ao longo do caminho e as principais estratégias usadas na construção do negócio.

O programa já recebeu nomes como André Penha, cofundador do QuintoAndar; David Neeleman, fundador da Azul; José Galló, executivo responsável pela ascensão da Renner; Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos; Artur Grynbaum, CEO do Grupo Boticário; Sebastião Bonfim, criador da Centauro; e Edgard Corona, da rede Smart Fit.

Compartilhe