Do Zero Ao Topo

Mater Dei: como a rede de hospitais quer se tornar uma das maiores do país

A história de construção da rede, que fez IPO em 2021, e seus planos futuros são temas de podcast

Por  Letícia Toledo -

Como muitos negócios no Brasil, a rede de hospitais Mater Dei (MATD3) começou com os sonhos de um empreendedor, o médico José Salvador Silva, em 1980. Mas como poucos negócios ainda no país, a Rede Mater Dei vem crescendo e se expandindo cada vez mais com a segunda e a terceira geração da família trabalhando nos negócios.

Em 2021, a rede estreou na Bolsa avaliada em R$ 6,4 bilhões. Com dinheiro em caixa, a companhia comprou cinco hospitais e uma empresa de tecnologia.

“Nós estamos passando por um momento em que as placas tectônicas do setor [de saúde] estão se movendo. Quando elas se movem, surgem muitas oportunidades”, afirma Henrique Moraes Salvador Silva, CEO do grupo e filho do fundador, em entrevista ao podcast do Do Zero ao Topo.

A história de construção da rede e seus planos futuros são temas do episódio 126 do podcast. O programa está disponível em vídeo no Youtube ou em áudio em plataformas como ApplePodcastsSpotifyDeezerSpreakerGoogle PodcastCastbox e Amazon Music.

A ambição nacional

O plano da Rede Mater Dei é se tornar uma das principais consolidadoras do mercado de saúde do país. Mas, para isso, a competição é alta. Nos últimos dois anos, o setor de saúde lidera o ranking de fusões e aquisições e reúne as maiores operações de compra de empresas no Brasil.

Dois grandes exemplos recentes são a fusão entre as operadoras de planos de saúde Hapvida e a NotreDame Intermédica e a compra da seguradora SulAmérica pela operadora de hospitais Rede D’or.

“A opção da rede Mater é por ser uma rede prestadora de serviço de mercado não verticalizada e uma verdadeira parceira de muitas operadoras”, explicou o CEO da Rede Mater Dei sobre a estratégia da empresa.

Dentre as seis aquisições feitas no ano passado pelo grupo, uma que chamou atenção do mercado foi o Hospital Porto Dias – maior grupo hospitalar do Norte do País. A aquisição, ajudou a Mater Dei a ser vista pelo mercado como uma potencial consolidadora do setor, mesmo sendo substacialmente menor que redes como Dasa e Rede D’Or

“Na época [do IPO] a dúvida era se a Mater Dei conseguiria competir pelos bons ativos, uma vez que têm outras redes que tem mais dinheiro e mais recursos. Não só provamos que é possível como a boa reputação que temos nos precede nas aquisições”, disse o Henrique Silva.

Segundo ele, o foco principal para 2022 será digerir as aquisições feitas no ano passado. “Ao invés de sermos um amontoado de unidades de hospitais, a gente quer ser alguma coisa que faça sentido, que tenha uma cultura semelhante que um posicionamento que valorize o que precisa de ser valorizado
na atividade médica hospitalar”, afirmou. Confira os detalhes da história no podcast.

Do Zero Ao Topo
Toda semana uma nova história de sucesso no mundo dos negócios:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Sobre o Do Zero ao Topo

O podcast Do Zero ao Topo traz, a cada semana, um empresário de destaque no mercado brasileiro para contar a sua história, compartilhando os maiores desafios enfrentados ao longo do caminho e as principais estratégias usadas na construção do negócio.

O programa já recebeu nomes como André Penha, cofundador do QuintoAndar; David Neeleman, fundador da Azul; José Galló, executivo responsável pela ascensão da Renner; Guilherme Benchimol, fundador da XP Investimentos; Artur Grynbaum, CEO do Grupo Boticário; Sebastião Bonfim, criador da Centauro; e Edgard Corona, da rede Smart Fit.

 

Compartilhe