Casa própria

Vendas de imóveis crescem 16,2% em maio na cidade de São Paulo, aponta Secovi

No acumulado dos últimos 12 meses, as vendas totalizaram 69.614 unidades, o equivalente a uma expansão de 14,9%

Por  Estadão Conteúdo -

O mercado imobiliário na cidade de São Paulo teve aumento nas vendas de imóveis em maio, sinalizando resiliência do setor diante da inflação e dos juros em alta. Por outro lado, os lançamentos recuaram. Os dados fazem parte de pesquisa do Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

O levantamento registrou a venda de 6.838 imóveis residenciais novos em maio, o que representa um crescimento de 16,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

No acumulado dos últimos 12 meses (junho de 2021 a maio de 2022), as vendas totalizaram 69.614 unidades, o equivalente a uma expansão de 14,9% em relação aos 12 meses anteriores (junho de 2020 a maio de 2021).

Leia também:
TR, IPCA ou poupança: qual é o melhor financiamento imobiliário com a Selic a 13,25%?

A pesquisa também apontou lançamentos de 7.631 apartamentos em maio, volume 9,6% menor na mesma base de comparação anual. Já em 12 meses, os lançamentos totalizaram 84.352 unidades, um aumento de 16,2%.

Apesar do número maior de vendas, houve uma redução no ritmo em que os imóveis são escoados. A velocidade de vendas em maio foi de 9,8%, patamar inferior aos 11,5% registrados um ano antes.

Nos últimos 12 meses, a velocidade foi de 53,7%, nível abaixo dos 57,8% dos 12 meses anteriores. O indicador considera o total de imóveis vendidos em relação ao estoque total disponível no período.

A capital paulista encerrou maio com um estoque de apartamentos (unidades na planta, em obras e recém-entregues) de 62.675 unidades disponíveis para venda, um salto de 38,8% em comparação com maio de 2021, quando era de 45.154 unidades.

Esse salto se deve ao recorde de lançamentos no ano passado, que vem desacelerando nos últimos meses. O Secovi-SP estima que os lançamentos devem alcançar de 65 mil a 70 mil apartamentos em 2022. No caso das vendas, a previsão é que fiquem entre 55 mil a 60 mil unidades.

Casa Verde e Amarela

Os imóveis enquadrados no programa “Casa Verde e Amarela (CVA)” representaram 55% das unidades vendidas e 52% das unidades lançadas em maio. Esses imóveis são os que têm maior demanda e mostraram uma velocidade de vendas de 13,2% no mês, portanto, ficando acima da média do mercado imobiliário.

Desde o ano passado, foi atualizada a faixa limite de preços dos imóveis do programa Casa Verde e Amarela para compensar o aumento nos custos dos materiais e a necessidade de as empresas subirem o preço final das moradias. Com isso, o teto subiu para R$ 264 mil na cidade de São Paulo, ajudando a desafogar novos projetos.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe