Lançamento

Quilo da carne moída vegetal brasileira custa R$ 66. Quem vai comprar?

Fazenda Futuro lança sua segunda categoria de produtos após o hambúrguer vegetal; a carne moída também “sangra” e é feita de ingredientes naturais

arrow_forwardMais sobre
Carne vegetal moída Fazenda do Futuro
Divulgação)

SÃO PAULO – A foodtech brasileira Fazenda Futuro anunciou, na última segunda-feira (4), o lançamento de sua carne moída vegetal, segunda categoria de produto da empresa após o “hambúrguer do futuro”.

Feito de soja, ervilha, grão de bico e beterraba (que simula sangue), o produto simula o sabor da proteína bovina e estará à venda primeiro nas lojas da rede de supermercados Pão de Açúcar, com preço sugerido de R$ 17,99 para a bandeja de 270 gramas (ou cerca de R$ 66,60 o quilo).

O valor ainda é consideravelmente superior ao praticado nos similares de origem animal – os quilos das marcas de carne moída de primeira, “premium” ou orgânica (feita com bois alimentados com grama e não ração) são encontrados no varejo dentro da faixa de R$ 25 a R$ 55, em média.

PUBLICIDADE

Isso é um problema para a indústria do plant-based, já que o preço ainda é determinante no momento das compras no gênero alimentício. De acordo com pesquisa da Nielsen publicada em julho, 64% dos brasileiros escolhem a marca de produtos alimentícios pelo preço. O dado mais recente do Sincovaga (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São Paulo) mostra que, dos consumidores que alteram marcas de produtos, 76% são motivados pelos preços e 16,3%, por promoções. Em outras palavras, a carne vegetal seguirá sendo um produto de nicho se não couber no bolso do brasileiro.

Segundo Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro, baratear os processos para tornar os produtos mais acessíveis está entre as metas da companhia. A Fazenda calcula que, com a evolução das tecnologias utilizadas, o preço da carne vegetal deve se igualar ao da carne animal em breve.

“Você dá acesso de várias formas: com melhor distribuição, variação de portfólio, entre outros. Mas preço é uma variável importante”, admite o executivo ao InfoMoney. “É preciso ter calma, porque é um mercado muito recente. Novas tecnologias em processos e ingredientes vão gerar aumento de volume [de produção]”, pondera.

Parte desse esforço consiste no que a empresa chama de “hackear” máquinas frigoríficas para utilizá-las em seus produtos. “A gente tinha duas opções: construir tecnologia própria ou utilizar a que vem sendo desenvolvida há anos pelo mercado de proteína animal”, explica o CEO. Como a textura da carne moída da Fazenda Futuro é similar à carne bovina, optou-se pela segunda alternativa, otimizando o funcionamento das máquinas para o novo propósito. Isso poupa um esforço enorme de fabricação de novos maquinários.

As outras foodtechs têm o mesmo desafio e formas diferentes de lidar com ele, mas todas as soluções passam pelo aumento de escala. Um artigo do The Good Food Institute argumenta que, uma vez que a demanda por esses produtos cresça, fornecedoras criarão equipamentos e soluções focadas, o que derrubará os preços.

Mais saudável? 

Segundo os dados da Nielsen, o brasileiro está mais saudável: 57% reduziram o consumo de gordura e 56% diminuíram a ingestão de sal. Mas isso também não ajuda a aumentar a procura pelos alimentos futuristas.

PUBLICIDADE

Assim como no caso do hambúrguer, seria uma imprecisão afirmar que a carne moída vegetal é mais saudável que a animal. O que a Fazenda garante é que seu produto não tem antibiótico, colesterol, produtos transgênicos e glúten – as calorias são basicamente as mesmas e não há nenhum estudo que indique superioridade de um ou outro em termos de saúde.

Essa sequer é a primeira ambição de companhias como a Fazenda Futuro. “A categoria plant-based surgiu para começar a criar uma alternativa para um sistema que gasta muitos recursos e sacrifica animais”, diz Leta.

Invista melhor o seu dinheiro. Abra uma conta gratuita na XP.