Aumento nas vendas

Para IBGE, permanece cenário de ganho de ritmo no varejo

Na comparação com outubro de 2018, o varejo cresceu 4,2%, sétima taxa positiva consecutiva e o melhor desempenho para o mês desde 2013

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

A despeito do crescimento modesto nas vendas do comércio varejista em outubro ante setembro, de apenas 0,1%, não houve interrupção na tendência de ganho de ritmo do setor, afirmou Isabella Nunes, gerente da Pesquisa Mensal de Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“O comércio está mais dinâmico que a indústria e os serviços”, comentou.

Segundo a pesquisadora, o avanço de 0,1% após uma sequência de outras cinco taxas positivas consecutivas deve ser vista como uma acomodação, e não como perda de fôlego.

Aprenda a investir na bolsa

“As taxas do segundo semestre são mais elevadas, mostrando que o varejo ganha mais ritmo ao longo do ano”, justificou.

Na comparação com outubro de 2018, o varejo cresceu 4,2%, sétima taxa positiva consecutiva e o melhor desempenho para o mês desde 2013, quando o avanço foi de 5,4%.

Já o varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, cresceu 5,6% nesse tipo de comparação, sétima expansão seguida, embora tenha desacelerado em relação aos dois anos anteriores: 6,2% em outubro de 2018 e 7,6% em outubro de 2017.

Para Isabella, o aumento nas vendas está muito relacionado com uma maior concessão de crédito para pessoas físicas, enquanto que o varejo ampliado tem forte influência da demanda empresarial, e, portanto, não é tão beneficiado por esse fator de crescimento.

Em relação a outubro de 2018, o comércio varejista mostrou taxas positivas em sete das oito atividades pesquisadas:

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (2,6%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (8,3%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (7,3%), Móveis e eletrodomésticos (8,0%), Combustíveis e lubrificantes (2,9%), Tecidos, vestuário e calçados (2,5%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (4,9%).

PUBLICIDADE

O único segmento com queda foi o de Livros, jornais, revistas e papelaria (-13,3%).

No comércio varejista ampliado, os Veículos, motos, partes e peças cresceram 9,2%, enquanto Material de construção avançou 6,5%.

Invista seu dinheiro com quem conhece do assunto. Abra sua conta na XP – é grátis