O que evitou mais de um milhão de tentativas de fraudes no Brasil em um mês

Apenas em março, mais de 1 milhão de tentativas de fraudes de identidade foram detectadas; entenda o que as impediu e saiba como se proteger

Mariana Amaro

Pessoa em frente a computador, simulando um ataque hacker (Foto: Pexels/Sora Shimazaki)
Pessoa em frente a computador, simulando um ataque hacker (Foto: Pexels/Sora Shimazaki)

Publicidade

Apenas no mês de março, foram registradas 1.064.803 tentativas de fraude de identidade no Brasil. Todas elas foram detectadas graças às tecnologias antifraude que envolvem verificação de dados cadastrais, verificação de documentos e biometria facial.

O volume representa um aumento de 24,3% em relação ao mesmo mês de 2023 e é o maior número já marcado pelo Indicador de Tentativas de Fraude da Serasa Experian desde o início da série histórica, em 2022.

Leia também: BC informa vazamento de 22 mil chaves Pix nesta terça (11); veja dados afetados

Continua depois da publicidade

Essas fraudes de identidade acontecem quando golpistas roubam dados pessoais de terceiros e tentam se passar por eles para obter vantagens financeiras. O indicador identifica essas investidas no momento do onboarding, ou seja, na abertura de contas ou pedidos de cartões, empréstimos, aluguel de carros, entre outras modalidades.

Aprenda a receber até 200% acima da poupança tradicional sem abrir mão da simplicidade e da segurança

“Com o aumento dos casos, é ainda mais necessário que as empresas se conscientizem da importância da proteção em camadas, que consiste em combinar diversas tecnologias de proteção para autenticar os usuários”, explica o Diretor de Autenticação e Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Caio Rocha. Alguns exemplos envolvem autenticação do dispositivo, em caso de acesso via aplicativos e web, Liveness (prova de vida), biometria facial, geolocalização, entre outras, que podem ser personalizadas de acordo com o nicho de atuação e nível de maturidade do negócio.

Continua depois da publicidade

Na visão por setores, “Bancos e Cartões” concentrou a maior parte das ocorrências (50,9%) e “Telefonia” foi o menos visado pelos criminosos (1,6%). Em relação às idades, os cidadãos de 36 a 50 anos foram os que tiveram maior incidência das tentativas de fraude em março (35,8%).

Como se proteger

Especialistas da Serasa Experian reuniram dicas para para garantir a segurança dos consumidores:
• Documento, celular e cartões devem estar seguros e com senhas fortes para acesso aos aplicativos;
• Desconfie de ofertas de produtos e serviços, como viagens, com preços muito abaixo do mercado. Nesses momentos, é comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar coletar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador;
• Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminam os dispositivos com comandos para funcionarem sem que o usuário perceba;
• Cadastre suas chaves Pix apenas nos canais oficiais dos bancos, como aplicativo bancário, Internet Banking ou agências;
• Não forneça senhas ou códigos de acesso fora do site do banco ou do aplicativo;
• Não faça transferências para amigos ou parentes sem confirmar por ligação ou pessoalmente que realmente se trata da pessoa em questão, pois o contato da pessoa pode ter sido clonado ou falsificado;
• Inclua suas informações pessoais e dados de cartão somente se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro;
• Monitore o seu CPF com frequência para garantir que não foi vítima de fraude.

Tópicos relacionados

Mariana Amaro

Editora de Negócios do InfoMoney e apresentadora do podcast Do Zero ao Topo. Cobre negócios e inovação.