Nokia ‘tijolão’, CD-ROM, Xerox e mais: veja produtos que marcaram Era na Shoptime

Vendas diretas pela televisão fizeram a Shoptime explodir nos fim dos anos 90 e início dos anos 2000; relembre

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Americanas (AMER3) anunciou que vai integrar sites e aplicativos da Shoptime, além da Submarino, a sua própria marca, na última semana, após episódios turbulentos que envolveram o ex-CEO, Miguel Gutierrez, e a ex-diretora, Anna Saicali.

A Shoptime integra o grupo desde os anos 2000 e foi ganhando força pelo formato de venda e pelos produtos clássicos que marcaram toda uma geração. A chamada “live shopping”, comum entre algumas influenciadoras da atualidade, tem sua origem pautada em programas de vendas diretas ao vivo.

Como tudo começou?

A Shoptime foi criada em 1995 para ser a expansão de uma marca de televisão a cabo, a Multicanal (que depois foi NET e posteriormente foi comprada pela Claro). A ideia não deu certo e a programação prevista para o novo canal foi interrompida.

Continua depois da publicidade

Porém, além da TV a cabo, outro braço de negócio da Shoptime era a venda direta ao consumidor pela televisão. Com a internet, a empresa entrou para o mercado online em 1997, com a shoptime.com.

Naquela época, os consumidores tinham duas opções: compravam apenas pelo telefone olhando a oferta de produtos na TV ou pelo site da empresa.

O principal motivo para o sucesso estrondoso do negócio, no início dos anos 2000, foi o fato de as vendas diretas acontecerem ao vivo em horário nobre da televisão com a presença de famosos, como Rosana Garcia, Monique Evans, Rodolfo Bottino, Marcos Veras, entre outros artistas.

Continua depois da publicidade

Em 2005, a empresa foi comprada pela Americanas por cerca de R$ 126 milhões e se consolidou como um e-commerce a partir da integração com B2W Digital, braço digital do grupo. A programação em televisão aberta foi encerrada há pouco mais de um ano.

Baixe uma planilha gratuita para calcular seus investimentos em renda fixa e fuja dos ativos que rendem menos

Recordar é preciso

Para relembrar alguns dos momentos marcantes da Shoptime na televisão, o InfoMoney compilou produtos clássicos e como eram vendidos nos anos 2000. Confira:

Continua depois da publicidade

1. CD-ROM

O CD-ROM, ou apenas CD, é um dos produtos clássicos conhecidos até hoje pelas pessoas. O próprio fabricante armazenava o conteúdo no disco. Em um dos milhares de exemplos da Shoptime, Carlos Takeshi recebe um garoto de 15 anos que foi apresentar a criação de uma página de internet e, no programa, vendeu uma espécie de passo a passo para fazer isso com o “Criando Home Pages”, que era um CD com o conteúdo, incluindo a “Internet Explorer” e custava R$ 49.

2. Nokia 5310

O celular Nokia 5310 foi um fenômeno dos anos 2000. Na Shoptime, o celular era comercializado. A oferta era um Nokia 5310 Edição Especial Coca-Cola Zero, que permitia o consumidor falar, fotografar e ouvir músicas no rádio ou em formato MP3. Na época, a Nokia era a principal vendedora de aparelhos celulares.

3. Copiadora Xerox

Outro item que vale o destaque é a copiadora da Xerox, item que prometia facilitar a vida nos escritórios dando a possibilidade de reproduzir documentos. Um representante da Xerox participou da promoção do item na Shoptime. Na ocasião, explicou como o produto funcionava, público-alvo, além de detalhar os possíveis usos. Na época, o aparelho era vendido por R$ 899,00.

Continua depois da publicidade

4. Grill Quadrado

Outro item que fez sucesso foi o “grill quadrado”, uma chapa lisa antiaderente com tampa que prometia preparar “alimentos como crepes, risotos e vegetais cozidos em poucos minutos e sem fazer sujeira”, segundo a propaganda da Shoptime. A marca Fun Kitchen era presença recorrente nas vendas da Shoptime.

5. Omeleteira

Outro item da FunKitchen que vale relembrar era a omeleteira, capaz de fazer duas omeletes ao mesmo tempo, sendo necessário apenas bater os ovos.

Baixe uma planilha gratuita para calcular seus investimentos em renda fixa e fuja dos ativos que rendem menos